Saúde Ex-assessor de Sócrates lidera hospitais privados

Ex-assessor de Sócrates lidera hospitais privados

Após liderar o discurso do PS em defesa do serviço público, Óscar Gaspar terá como mandato até 2018 "a maior participação da hospitalização privada nas discussões da política de saúde".
Ex-assessor de Sócrates lidera hospitais privados
António Larguesa 17 de Outubro de 2016 às 15:20

Óscar Gaspar, ex-secretário de Estado da Saúde no segundo Governo de José Sócrates, foi eleito "por unanimidade" presidente da Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP), que representa perto de uma centena de unidades privadas de saúde, com um volume de negócios anual que ascende a 1.800 milhões de euros.

 

Natural de Vagos, licenciado em Economia pela Faculdade de Economia do Porto e pós-graduado em Gestão Pública pela Universidade de Aveiro, o novo líder dos hospitais privados portugueses trabalhou no BCP entre 1992 e 1997, começando depois disso a colaborar activamente com o Partido Socialista.

 

Assessor do grupo parlamentar dos socialistas (1997-1999) e depois assessor e chefe de gabinete do secretário de Estado do Orçamento (1999-2001) no Executivo liderado por António Guterres, voltou ao círculo político com o regresso dos socialistas ao poder – durante a era Durão/Santana em São Bento foi administrador da Metro-Mondego e colaborou com a Iberdrola. No primeiro mandato de José Sócrates (2005-2009) foi assessor económico; ascendeu a secretário de Estado da Saúde na legislatura sem maioria absoluta interrompida em 2011.

 

Já com a troika em Portugal e com António José Seguro no Largo do Rato, não perdeu protagonismo público: integrou a Comissão Política, assumiu-se como um dos principais conselheiros da direcção e até porta-voz do partido para os assuntos económicos, saindo em Setembro de 2014 depois de António Costa concretizar o assalto à liderança.

 

Até ser eleito presidente da direcção da APHP para o triénio 2016-2018, Óscar Gaspar ocupava o cargo de director dos assuntos externos da multinacional farmacêutica MSD – Merck Sharp & Dohme em Portugal, que abandonou em Agosto. Nos próximos dois anos assume como principal desafio "a maior participação da hospitalização privada nas discussões da política de saúde".

 

"A reconhecida excelência na prestação de cuidados, a flexibilidade de gestão, a capacidade e vontade de investir e a liberdade de escolha que concede ao cidadão permitem [à hospitalização privada] encarar o futuro de forma sustentável e ser considerada, quer um parceiro efectivo do SNS, quer um pilar do sistema de saúde português", aponta Óscar Gaspar, citado esta segunda-feira, 17 de Outubro, num comunicado de imprensa.

 

Liberdade de escolha e eficiência privada

 

De acordo com as informações partilhadas por esta associação, os hospitais privados em Portugal empregam mais de 17 mil pessoas e todos os anos realizam 6,8 milhões de consultas, 1,7 milhões de atendimentos urgentes e 260 mil cirurgias. Óscar Gaspar substitui Artur Osório na presidência.

 

Na lista de vogais da nova direcção estão Carlos Alcântara (Casa de Saúde Senhor da Serra), João Novais (Hospital da Luz), João Martins (Lusíadas) e João Bacalhau (Hospital Particular do Algarve), que transitam todos do mandato anterior, juntando-se agora à equipa João Estevão (Hospital Privado da Trofa) e Guilherme Magalhães (Hospital CUF Infante Santo).

 

Em entrevista à Lusa, publicada este domingo, 16 de Outubro, o antigo governante defendeu que "se ao Estado incumbe dar acesso dos cidadãos à saúde, e se os privados conseguem provar que são mais eficientes do que outro tipo de entidades, então o que faz sentido é o próprio Estado garantir também o acesso dos cidadãos aos hospitais privados, independentemente do seu nível de rendimentos".

 

Os utentes devem poder escolher a unidade de saúde, pública ou privada, cabendo ao Estado o pagamento da despesa? "Não é só apenas uma questão de liberdade de escolha. É também uma questão de eficiência e de conseguirmos provar, como temos conseguido provar, que o privado é mais eficiente do que o público num conjunto de áreas", respondeu o ex-secretário de Estado.




A sua opinião24
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas



PS - PCP - BE -- ROUBAM OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


NOVAS PENSÕES MÍNIMAS SERÃO SUJEITAS A PROVA DE RENDIMENTO...

para se gastar mais dinheiro com os subsídios às pensões douradas da CGA.


(As pensões da CGA são subsidiadas em 500€, 1000€, 1500€ e mais, por mês.

Estas pensões sim, devem ser sujeitas a condição de recursos.

E não as mínimas.)

comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana


FANÁTICOS EXTREMISTAS

Os xuxa.s são tão fanáticos como certas religiões que todos conhecemos.

Por isso acreditam em tudo o que os seus chefes dizem, e ameaçam / insultam todos os que denunciam as suas muitas mentiras e crimes!

Tito Matias Há 3 semanas

Titulo venenoso!

Miguel Brito Há 3 semanas

Pois,onde está a novidade...

Daniel Almeida Santos Há 3 semanas

Qualquer dia o Socratas volta a ser PM?

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub