Conjuntura Excedente externo baixa para 1% do PIB

Excedente externo baixa para 1% do PIB

O bom comportamento do turismo não foi suficiente para compensar o impacto do aumento dos rendimentos atribuídos a não residentes e da redução dos fundos provenientes da União Europeia.
Excedente externo baixa para 1% do PIB
O aumento do turismo está a contribuir para a melhoria da balança de bens e serviços
Sérgio Lemos
Nuno Carregueiro 17 de Novembro de 2016 às 12:22

O saldo conjunto das balanças corrente e de capital (que mede o excedente externo) atingiu 1.358 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano, o que corresponde a 1% do PIB e compara com 2.147 milhões de euros (1,6% do PIB) no mesmo período do ano passado.

 

Os dados foram revelados esta quinta-feira, 17 de Novembro, pelo Banco de Portugal e dão conta de um bom comportamento da balança de bens e serviços e uma deterioração da balança de capital e da balança financeira. 

 

Segundo o banco central, o excedente da balança de bens e serviços aumentou 759 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano, atingindo 3.606 milhões de euros. As exportações de bens desceram 0,4%, uma queda inferior à registada nas importações (-0,6%), o que resultou numa melhoria no saldo da balança de bens para um défice de 6,28 mil milhões de euros (de -5% para -4,5% do PIB).

 

Na balança de serviços o excedente é superior (aproximou-se de 10 mil milhões de euros, o que corresponde a 7,1% do PIB). Um desempenho que segundo o Banco de Portugal se explica com o bom comportamento do turismo, já que a rubrica "Viagens e turismo" apresentou um excedente de 6.839 milhões de euros, o que compara com 6.153 milhões de euros no mesmo período do ano passado.

 

Contudo, o bom desempenho da balança de bens e serviços foi mais do que anulada pela evolução das outras balanças. O Banco de Portugal destaca que o défice da balança de rendimento primário aumentou cerca de 823 milhões de euros (representando 2,9% do PIB), devido sobretudo ao "aumento dos rendimentos atribuídos a não residentes".

 

O excedente da balança de capital baixou para 1.141 milhões de euros, passando de 1,1% do PIB para 0,8% do PIB. Uma evolução que o Banco de Portugal explica com "a redução dos fundos provenientes da União Europeia".

 

Já o saldo positivo da balança financeira encolheu para 1.463 milhões de euros, passando de 1,9% do PIB para 1,1% do PIB. Sobre esta evolução o Banco de Portugal adianta que "no mês de Setembro, o efeito combinado do acréscimo dos activos de reserva e da redução de depósitos de não residentes em bancos residentes foi ligeiramente superior ao aumento dos passivos do investimento de carteira".

 
Na proposta de Orçamento do Estado, o Governo português antecipa um excedente das balanças corrente e de capital de 1,7% do PIB este ano e 2,2% em 2017. No ano passado baixou para 0,9% do PIB, face a 1% do PIB registado em 2014.

   




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
TinyTino Há 2 semanas

O excedente da balança de capital baixou em resultado como explica Banco de Portugal da redução dos fundos provenientes da União Europeia. Ora esse fundos vão voltar a subir agora que forma desbloqueados por Bruxelas. Pelo que são boas notícias. Compreende-se o desvelo com que se procura algo para falar mal do Governo. Não se esforcem tanto. Os portugueses que não vivem em função de governos deste ou daquele partido agradecem.

Resposta de Anónimoa TinyTino Há 2 semanas

Fala um comentador que se fartou de atacar o governo anterior mesmo nas boas noticias, agora vem com esta conversa de mherda. É preciso não ter vergonha nenhuma na cara. Comunagem abjeta.

Anónimo Há 2 semanas

O sr Costa que ponha velinhas ao Menino Jesus para que continue tudo embrulhado no Médio Oriente e Norte de África e os turistas continuem com medo dos atentados e venham para cá !!!

pub