Conjuntura Excedente externo duplica até Abril com impulso do turismo

Excedente externo duplica até Abril com impulso do turismo

O aumento das receitas com turismo e das transferências da União Europeia compensaram o agravamento do défice da balança de bens.
Excedente externo duplica até Abril com impulso do turismo
Pedro Zenkl/Correio da Manhã
Nuno Carregueiro 21 de junho de 2017 às 12:37

As contas externas portuguesas continuam a melhorar, à custa sobretudo do turismo e das transferências da União Europeia.

 

Os dados revelados esta quarta-feira pelo Banco de Portugal mostram que nos primeiros quatro meses do ano, o saldo conjunto das balanças corrente e de capital situou-se em 823 milhões de euros. Um valor que mais do que duplica o registado no mesmo período do ano passado (404 milhões de euros).

 

Caso persista esta tendência, 2017 será o sexto ano consecutivo de saldos positivos nas relações de Portugal com o exterior. No ano passado o excedente externo situou-se em 1,7% do PIB, acima do registado no ano anterior (1,2% do PIB).

 

O Banco de Portugal adianta que a evolução positiva do saldo externo resulta da contribuição de todas as componentes da balança corrente e de capital, com excepção da balança de bens.

 

Na balança de serviços o saldo positivo até aumentou, para 3,4 mil milhões de euros, mas nos bens verificou-se a tendência inversa, já que as exportações cresceram abaixo das importações (12,7% contra 14,8%). Assim, o défice da balança de bens agravou-se para 3,3 mil milhões de euros (mais 800 milhões do que no mesmo período do ano passado).

 

Turismo rende mais 426 milhões

 

Para a evolução positiva da balança de serviços contribuiu de forma decisiva a rubrica do turismo. Segundo o Banco de Portugal, o excedente da rubrica "Viagens e turismo" aumentou 426 milhões de euros, fixando-se em 2110 milhões de euros.

 

As exportações de turismo ascenderam a 3,4 mil milhões de euros, um crescimento de 20,7% face ao período homólogo. Já as importações subiram 14,1% para 1,35 mil milhões de euros.

 

Também a contribuir de forma positiva para a evolução do excedente externo estiveram as transferências da União Europeia, que provocaram um aumento de 437 milhões de euros no excedente da balança de rendimento secundário.

 

O défice da balança de rendimento primário diminuiu 199 milhões de euros, de 764 para 565 milhões de euros, influenciado pelos dividendos recebidos do exterior em Abril.

 

Já o saldo da balança financeira registou um aumento dos activos líquidos de Portugal sobre o exterior no valor de 939 milhões de euros.

 

Balança de pagamentos

A balança de pagamentos regista as transacções que ocorrem num determinado período de tempo entre residentes e não residentes numa determinada economia. Essas transacções são de natureza muito diversa encontrando-se classificadas em três categorias principais:

- balança corrente, que regista a exportação e importação de bens e serviços e os pagamentos e recebimentos associados a rendimento primário (ex: juros e dividendos) e a rendimento secundário (ex: transferências correntes);

- balança de capital, que regista as transferências de capital (ex: perdão de dívida e fundos comunitários) e as transacções sobre activos não financeiros não produzidos (ex. licenças de CO2 e passes de jogadores);

- balança financeira, que engloba as transacções relacionadas com o investimento, nomeadamente investimento directo, investimento de carteira, derivados financeiros, outro investimento e activos de reserva.


Fonte: Banco de Portugal




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo 21.06.2017

E durante o periodo da troika era o que????? Pafioso!!!!!

Anónimo 21.06.2017

Já se sabe que desde que a troika foi embora Portugal voltou a ficar condenado a ser país de criadas de quarto de hotel, taberneiros e atendedores de chamadas telefónicas em part-time.

pub
pub
pub
pub