Empresas Executivo transforma fracasso da Sanofi em negócio multimilionário

Executivo transforma fracasso da Sanofi em negócio multimilionário

Em Abril de 2016, John Hood contou à esposa que tinha usado 250.000 dólares da poupança do casal como entrada para tentar recomprar um medicamento que ele tinha ajudado a inventar, mas que fracassou nas mãos da farmacêutica francesa Sanofi.
Executivo transforma fracasso da Sanofi em negócio multimilionário
Bloomberg 13 de janeiro de 2018 às 20:00

Havia um problema: Hood tinha 120 dias para conseguir mais 5 milhões de dólares para fechar o negócio. Se não conseguisse, perderia o pagamento inicial. "Estás furiosa comigo?", perguntou ele.

 

Hood conseguiu o dinheiro junto da empresa de capital de risco Medicxi Ventures, a sua esposa não ficou furiosa e, no passado dia 7 de Janeiro, quase dois anos depois, a Celgene anunciou a conclusão de um acordo de compra da empresa de Hood, a Impact Biomedicines, e do medicamento por 1,1 mil milhões de dólares em espécie. Futuros pagamentos de incentivo podem vir a avaliar o negócio em 7 mil milhões.

 

Apesar ter recuperado o investimento inicial quando a Medicxi entrou no negócio, Hood manteve uma "grande participação" na empresa, mas optou por não informar sobre os detalhes dizendo que o valor é "o suficiente para que eu prefira não responder à pergunta".

 

O acordo com a Celgene foi fechado depois de mais de 18 dias sem dormir, disse Hood, após um contacto inicial em Outubro. Uma das decisões mais difíceis foi definir se a Impact deveria guardar o medicamento, chamado fedratinib, e optar antes por comercializar o tratamento em si.

 

O medicamento está a ser desenvolvido para o tratamento da mielofibrose, um cancro na medula óssea.

 

Uma longa história

Era uma decisão pessoal para Hood, que ajudou a inventar o fedratinib quando trabalhava numa empresa chamada TargeGen. A TargeGen foi vendida à Sanofi por 75 milhões de dólares em 2010, mas o medicamento foi "metido na gaveta" porque, nos testes, os pacientes desenvolveram um problema neurológico conhecido como encefalopatia de Wernicke.

 

Segundo Hood, a Impact mostrou que os casos de encefalopatia de Wernicke não estavam associados ao medicmento e que o perfil do fedratinib deve torná-lo competitivo com o tratamento Jakafi, da Incyte, também voltado para a mielofibrose.

 

Os analistas têm várias perspectivas para o fedratinib: se puder competir com o Jakafi como primeira opção dos pacientes, pode ter sucesso. Se estiver limitado a ser uma terapia de segunda linha para os doentes nos quais o Jakafi não funciona, provavelmente não superará a marca dos mil milhões de dólares em vendas anuais.

 

Hood e a sua equipa estão convencidos de que o medicamento funcionará e que eles serão recompensados. A Celgene pagará 4,5 mil milhões de dólares se as vendas globais do fedratinib chegarem aos 5 mil milhões.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 5 dias

Com a geringonça, talento deste com enorme procura de mercado na actualidade, que facilmente atrai mais talento e capital de qualquer parte do mundo, nunca se fixará em Portugal de modo a criar valor a partir daqui. Os EUA e economias afins, onde o mercado laboral é flexível e o de capitais forte e dinâmico, agradecem. A troika tentou fazer as reformas adequadas para que a economia portuguesa evoluísse no bom sentido. Os sindicatos, esquerdas e corruptos não quiseram porque tudo isso iria contra a sua forma predatória e parasitante de estar na vida e contra tudo aquilo em que acreditam, para grande prejuízo dos portugueses.

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 dias

Pois pois... temos visto como o mercado laboral flexível e de fortes capitais tem funcionado na América Latina e Oriente... veja-se a legislação laboral no México ; Brazil ; Singapura (modelo de Passos) Indonésia ... são milhões e milhões a viver nas favelas do capitalismo selvagem... Viva Portugal!

Anónimo Há 5 dias

Com a geringonça, talento deste com enorme procura de mercado na actualidade, que facilmente atrai mais talento e capital de qualquer parte do mundo, nunca se fixará em Portugal de modo a criar valor a partir daqui. Os EUA e economias afins, onde o mercado laboral é flexível e o de capitais forte e dinâmico, agradecem. A troika tentou fazer as reformas adequadas para que a economia portuguesa evoluísse no bom sentido. Os sindicatos, esquerdas e corruptos não quiseram porque tudo isso iria contra a sua forma predatória e parasitante de estar na vida e contra tudo aquilo em que acreditam, para grande prejuízo dos portugueses.

pub