Mundo Exército iraquiano entrou na cidade de Mossul

Exército iraquiano entrou na cidade de Mossul

O exército iraquiano anunciou a entrada das suas forças em Mossul, no Iraque, pela primeira vez desde a tomada desta cidade pelo grupo jihadista auto-proclamado estado islâmico (EI) em Junho de 2014.
Exército iraquiano entrou na cidade de Mossul
Reuters
Lusa 01 de Novembro de 2016 às 15:28
As forças armadas iraquianas entraram na cidade de Mossul, declarou o centro de comando de operações conjunto, responsável pela ofensiva para recuperar a cidade.

Os militares tomaram o edifício onde se encontra a estação de televisão de Mossul.

"É o início da verdadeira libertação da cidade de Mossul. O nosso objetivo final é a libertação total" da cidade, anunciou o general Taleb Cheghati al-Kenani, comandante do serviço de contra terrorismo iraquiano (CTS).

Algumas horas antes, o primeiro-ministro iraquiano, Haider al-Abadi, tinha manifestado o seu optimismo, antecipando que esta investida estaria prestes acontecer, duas semanas após a vasta ofensiva contra Mossul, que teve início a 17 de Outubro.

Ao entrarem em Mossul, as forças do contra terrorismo avançaram sobre dezenas de milhares de combatentes, a partir do norte e do sul da cidade, auxiliados por ataques aéreos da coligação internacional anti-jihadistas conduzida pelos Estados Unidos.

Nas zonas este e norte da cidade, os combatentes cursos consolidaram as suas posições nas aldeias recentemente tomadas pelo EI.

No sul, as forças do governo federal continuam a progredir, mas encontram-se ainda a vários quilómetros da periferia de Mossul.

Por fim, na zona oeste, as forças paramilitares do Hachd al-Chaabi, uma coligação dominada pelas milícias xiitas apoiadas pelo Irão, tentam cortar as vias de ligação entre o EI e a Síria, tendo ocupado várias aldeias junto à estrada que leva a Tal Afar, uma cidade estratégica do autoproclamado Estado Islâmico.



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
OLHO POR OLHO, DENTE POR DENTE Há 2 dias

A palavra de ordem, na tomada de Mossul, deve ser a de prisioneiros : ZERO.
Toda essa escumalha deve ser passada a chumbo, visto que, se algum restar vivo, deles sairão futuros assassinos bombistas, que matarão milhares de inocentes, além de que não merecem o custo da comida que com eles se gasta.

Anónimo Há 2 dias

Aki esta um exemplo de como as coisas funcionam:meia duzia de gatos pingados(islamitas aferroados) conseguem por a NATO,Russia,America e mais 1 porcao de gente a caca sem sucesso, quase sempre estes pinguelas saiem vencedores na investidora a que se propuseram.E os 3 grandes ficam a lamb as fridas.

pub