Conjuntura Exportações caíram 3,5% em Outubro

Exportações caíram 3,5% em Outubro

Começa mal o último trimestre do ano para o comércio português, com uma contracção de 3,5% das exportações de bens em Outubro, face ao mesmo mês do ano passado, mostram os dados publicados pelo INE. As importações também recuaram 1,7%.
Exportações caíram 3,5% em Outubro
Pedro Elias/Negócios
Nuno Aguiar 09 de Dezembro de 2016 às 11:05

Segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), as exportações portuguesas de bens recuaram 3,5% em Outubro, em comparação com o mesmo mês do ano passado. O principal responsável foi a venda para países da União Europeia. Esta quebra surge depois de um Setembro muito forte, em que se observou um crescimento homólogo de 6,7%. 

O bom resultado da economia portuguesa no terceiro trimestre deveu-se, em grande parte, ao desempenho positivo das exportações em Agosto e Setembro, quando aumentaram 5% e 6,7%, respectivamente. Agora, o último trimestre do ano arranca com o pé esquerdo no que diz respeito ao comércio internacional, com a segunda maior contracção do ano. Outubro trouxe um recuo de 4% das vendas intra-UE, enquanto as extra-UE caíram 2,2%. 

As importações também caíram 1,7% em Outubro, mas a um ritmo inferior ao das exportações. A diminuição veio em especial de fora da União Europeia, que registaram uma quebra de 6,4%.

Tudo somado, o saldo da balança comercial de bens fixou-se em -870 milhões de euros, o que representa um agravamento de 70 milhões face ao mesmo mês de 2015. 

Se excluirmos destas contas os combustíveis - uma mercadoria com significativa volatilidade no preço - as exportações teriam caído ainda mais em Outubro (-4,1%) e as importações teriam caído menos (-0,8%). O resultado seria défice comercial menos profundo (607 milhões de euros) e com maior diferença em comparação com 2015 (134 milhões).


(Notícia em actualização)



A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

MAU MAU MAU !!!

AFINAL O ESTUPOR DO COSTA LANÇOU FOGUETES ANTES DO TEMPO ???

Cláudio Carneiro Há 1 semana

" Sines já garante 54% dos contentores nacionais

Até ao final de Outubro, os portos do Continente movimentaram 2,2 milhões de TEU, mais 1,9% que nos primeiros dez meses de 2015. Sines garantiu 1,2 milhões, anunciou a Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT).

9 Dezembro, 2016 at 15:28
por T&N
Revista Transportes e Negócios
http://www.transportesenegocios.pt/sines-ja-garante-54-dos-contentores-nacionais/

Cláudio Carneiro Há 1 semana

" Especialista alerta para o perigo do congelamento excessivo nas encomendas de navios

O sector do transporte marítimo viveu um período de exorbitante cadência de novas encomendas de navios que levou a um excesso de capacidade disponível no mercado, afectando os fretes. A reacção tardou mas chegou e assiste-se agora a um período de congelamento de novas encomendas e de abate de navios.

07/12/2016
CARGO Edições,Lda © 2016
http://www.cargoedicoes.pt/site/Default.aspx?tabid=380&id=15368&area=Cargo

Cantaropartido Há 1 semana

Quando não se respeita a estratégia de longo prazo, quando a especialidade do poder publico é absorver dividendos de curtíssimo prazo, quando a incapacidade subverte o empreendedorismo, então não temos outra solução senão andar no sobe e desce da mediocridade. Portugal é um País pequeno, cheio de gente dinâmica, com excelentes competências para termos da melhor qualidade de vida Mundial. Infelizmente os "chulos" do poder publico tudo mamam e não deixam que os empreendedores sintam que vale a pena apostar na dinâmica de bem fazer.

ver mais comentários
pub