Ásia Exportações chinesas registam maior subida em dois anos

Exportações chinesas registam maior subida em dois anos

As vendas da China para o exterior cresceram 16,4%, no mês passado, depois da queda de 1,3% registada em Fevereiro. Já as importações subiram 20,3%.
Exportações chinesas registam maior subida em dois anos
Reuters
Rita Faria 13 de abril de 2017 às 07:46
As exportações chinesas registaram a maior subida dos últimos dois anos, em Março, enquanto o crescimento das importações desacelerou face ao mês anterior.

De acordo com os dados divulgados esta quinta-feira, 13 de Abril, pela Direcção-geral das Alfândegas, as exportações aumentaram 16,4% em Março, face ao mesmo mês do ano passado, depois da queda de 1,3% observada em Fevereiro. Já as importações, que escalaram 38,1% em Fevereiro, abrandaram o ritmo de crescimento para 20,3%.

Os números superam largamente as estimativas dos analistas consultados pela Reuters, que apontavam para uma subida de 3,2% das exportações e de 18% das importações.

No entanto, um porta-voz da Direcção-geral das Alfândegas avisou que o ritmo de expansão do comércio deverá diminuir no segundo trimestre. O comércio permaneceu "sólido e estável" nos primeiros três meses do ano, mas os dados não revelam o quadro completo para 2017, reiteraram as autoridades em comunicado.

"O número de Março é muito melhor, quando comparado com os meses anteriores, porque os dois primeiros meses são muitas vezes distorcidos" devido aos feriados do novo ano lunar, explica Wang Qiufeng, analista da China Chengxin International Credit Rating em Pequim, citada pela Bloomberg. "Os próximos trimestres não serão tão fortes como o primeiro, especialmente no que diz respeito às importações, os preços das commodities não vão continuar a subir, o que pode diminuir o crescimento das importações".

Por outro lado, os receios em torno da relação entre a China e o seu maior parceiro comercial, os EUA, parecem ter aliviado, depois de os líderes dos dois países se terem comprometido, no seu primeiro encontro, com um plano de acção de 100 dias para negociações sobre o comércio entre os Estados Unidos e a China.

Depois da reunião, o secretário norte-americano do Tesouro, Steven Mnuchin, afirmou que os Estados Unidos pretendem aumentar as suas exportações para a China. O secretário de Comércio, Wilbur Ross, acrescentou que a China mostrou interesse em reduzir o saldo comercial por causa do seu impacto na oferta monetária e na inflação.

O porta-voz do Ministério chinês do Comércio, Sun Jiwen, disse, por seu lado, que a China está disposta a aumentar as importações dos EUA com base na "procura real do mercado" e que o país nunca procura ter um excedente comercial.

A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub