Conjuntura Exportações de bens cresceram ao ritmo mais forte em seis anos

Exportações de bens cresceram ao ritmo mais forte em seis anos

Apesar de um Dezembro fraco, as exportações de mercadorias no conjunto de 2017 registaram o maior crescimento desde 2011. Ainda assim aumentaram abaixo das importações.
Nuno Carregueiro 09 de fevereiro de 2018 às 11:05

As exportações de bens em Portugal aumentaram 10,1% em 2017, face ao ano anterior, o que traduz o crescimento anual mais forte desde 2011. Segundo anunciou o Instituto Nacional de Estatística, o crescimento anual das importações foi superior (+12,5%), pelo que o défice da balança comercial de bens aumentou 2.622 milhões de euros.

 

No conjunto de 2017 as empresas portuguesas exportaram mercadorias no valor de 55.079 milhões de euros. Excluindo combustíveis e lubrificantes o aumento foi de 9,1% para 51.273 milhões de euros.

 

Desde 2011 que as exportações totais não registavam um crescimento anual tão forte. Nesse ano aumentaram 14,9% e, desde então, nunca mais registaram uma subida anual de dois dígitos. Em 2016 tinham mesmo registado a menor expansão (0,9%) desde 2009.

 

No que diz respeito às importações, o crescimento de 12,5% em 2017 foi o mais forte desde o salto de 14,1% registado em 2010. Em valor, as importações atingiram 68.921,8 milhões de euros.

 

Défice comercial em máximos de 2011

Com as importações a crescerem acima das exportações (o que acontece pelo segundo ano consecutivo), o défice da balança comercial subiu para 13.843 milhões de euros em 2017, o que representa o valor mais elevado desde 2011 (16.723 milhões de euros). Uma evolução que ditou o decréscimo da taxa de cobertura (peso das exportações no total das importações) em 1,8 pontos percentuais, para 79,9%. 2017 é assim o primeiro ano desde 2012 em que a taxa de cobertura se situa abaixo dos 80%.

As exportações têm sido um dos motores da economia nacional, que em 2017 terá crescido ao ritmo mais rápido da última década (o INE publicará a primeira estimativa na quarta-feira, 14 de Fevereiro). Hoje o INE publicou os dados das exportações de bens, mas falta ainda conhecer a evolução das exportações de serviços, onde o desempenho será ainda superior, devido ao forte contributo do sector do turismo.

 

Travagem em Dezembro

 

O forte desempenho das exportações de bens em 2017 esconde um último mês do ano fraco. Em Dezembro a venda de bens ao exterior aumentou apenas 0,1%, o que representa o crescimento mais ténue desde Outubro de 2016 (as variações homólogas foram positivas em todos os meses de 2017).

 

As importações travaram de forma ainda mais acentuada em Dezembro, com as compras ao exterior a descerem 0,8%, naquela que foi a primeira queda homóloga de 2017.

 

O INE explica que a desaceleração das exportações e das importações "reflecte, em parte, o efeito de calendário, com menos dois dias úteis em relação ao período homólogo e menos três dias úteis em relação a Novembro de 2017". 

 

(notícia actualizada às 11:29 com mais informação)




A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Alentejano Há 1 semana

quanto desse consumo não foi feito pelos reformados estrangeiros e turistas ? se se conseguir levar isso em consideração poderemos ter uma ideia melhor sobre o real "gasto" da sociedade! (ou salários - poupupanças = gastos reais - gastos totais=gastos de ex-pat ) pois economia paralela ...

Anónimo Há 1 semana

mais um Panasca do largo rato a fazer broches a monhés por aqui! Gostas é deles bem grandes, Óh Rabolho!

Anónimo Há 2 semanas

Após 30 anos de integração europeia o País continua: sem capacidade de produzir os bens que equilibrem a sua balança comercial. Vale-lhe agora, com empregos pagos a salário minimo, o turismo para financiar esse defice. Não parece ser um futuro brilhante.

Anónimo Há 2 semanas

Resultado final?? Prejuízo ou lucro para o país??

ver mais comentários
pub