Conjuntura Exportações estão a cair 0,8% desde o início do ano

Exportações estão a cair 0,8% desde o início do ano

O mau resultado de Outubro (e não só) significa que Portugal está a vender menos mercadorias ao exterior este ano do que em igual período de 2015. Os combustíveis destacam-se pela negativa.
Exportações estão a cair 0,8% desde o início do ano
Bruno Simão
Nuno Aguiar 09 de dezembro de 2016 às 15:19

Entre Janeiro e Outubro deste ano, as empresas portuguesas exportaram 41,5 mil milhões de euros. O que representa uma diminuição homóloga de mais de 300 milhões. Ou seja, uma quebra de 0,8%, mostram os dados publicados hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). Uma variação acumulada que se justifica com o mau resultado de Outubro, mas também com o período de cinco meses consecutivo de contracções homólogas observado entre Março e Julho. Na realidade, as exportações portuguesas de bens só cresceram em três dos dez meses de 2016.

 

Quando se olha para os grupos de produtos, aquele que mais se destaca pela negativa até Outubro inclui os produtos petrolíferos. Está a cair quase 900 milhões de euros em comparação com o mesmo período do ano passado (-29%). Automóveis e "metais base" surgem a seguir com contracções homólogas de 250 e 120 milhões de euros, respectivamente.

 

Nem tudo é mau. Os equipamentos e aparelhos de rádio, televisão e de comunicação estão a avançar mais de 350 milhões de euros em 2016 (40%), seguidos pelos artigos de vestuário com pêlo (140 milhões), outro material de transporte (130 milhões) e electricidade (105 milhões).

 

Os destinos que mais estão a castigar as exportações estão fora da União Europeia. As vendas extra-UE estão a cair 12,4% até Outubro, muito influenciadas pela evolução do preço do petróleo. Ao mesmo tempo, as saídas intra-UE avançam 3,6%.

 

Tendências semelhantes observam-se nas importações. As compras de mercadorias estão a recuar 0,6% nos primeiros dez meses do ano (menos 326 milhões de euros), essencialmente devido à contracção de 7% dos mercados extra comunitários – mais uma vez, com influência do preço do petróleo -, enquanto dentro da UE crescem 1,3%.

 

O facto de as importações também estarem a registar variações negativas, faz com que o défice comercial não esteja a ser prejudicado. Os dados do INE mostram que ele está praticamente ao mesmo nível de Outubro do ano passado, rondando os -8,5 mil milhões de euros. Desagravou-se até em cerca de 11 milhões de euros.

 

Outubro no vermelho

 

Segundo a mesma publicação do INE, as exportações portuguesas de bens recuaram 3,5% em Outubro, em comparação com o mesmo mês do ano passado. O principal responsável foi a venda para países da União Europeia. Esta quebra surge depois de um Setembro muito forte, em que se observou um crescimento homólogo de 6,7%. 



O bom resultado da economia portuguesa no terceiro trimestre deveu-se, em grande parte, ao desempenho positivo das exportações em Agosto e Setembro, quando aumentaram 5% e 6,7%, respectivamente. Agora, o último trimestre do ano arranca com o pé esquerdo no que diz respeito ao comércio internacional, com a segunda maior contracção do ano. Outubro trouxe um recuo de 4% das vendas intra-UE, enquanto as extra-UE caíram 2,2%. 



As importações também caíram 1,7% em Outubro, mas a um ritmo inferior ao das exportações. A diminuição veio em especial de fora da União Europeia, que registaram uma quebra de 6,4%. Tudo somado, o saldo da balança comercial de bens fixou-se em -870 milhões de euros, o que representa um agravamento de 70 milhões face ao mesmo mês de 2015. 



Se excluirmos destas contas os combustíveis - uma mercadoria com significativa volatilidade no preço - as exportações teriam caído ainda mais em Outubro (-4,1%) e as importações teriam caído menos (-0,8%). O resultado seria défice comercial menos profundo (607 milhões de euros) e com maior diferença em comparação com 2015 (134 milhões).




A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado carlitos335 09.12.2016

EXPORTAÇÕES A CAIR ?!?
... "olhe que não, olhe que não".... diz o Costa.
Para ele as exportações estão a "cair para cima" !!
Pró Galamba, este Nuno Aguiar é um perigoso agente da reacção !
E a culpa é também dos patrões que não querem exportar por birra !

comentários mais recentes
surpreso 10.12.2016

Afinal ,os foguetes estavam molhados.E andam a enganar o cataventos de Belém

Anónimo 09.12.2016

Um País como o nosso, viciado em importações tal como o lixo de Itália e carne de porco de Espanha quando a Nacional é mais barata, dificilmente acerta as contas.

matita42 09.12.2016

Por mais propaganda que se faça, a verdade é que a generalidade dos índices têm caído desde início do ano e é por isso que temo a bancarrota. Os juros da dívida aumentaram num ano mais de 70%, a bolsa PSI20 valia cerca de 7.300 pontos com PPC está hoje a valer e já subiu cerca de 200 pontos, 4.620 pontos. O investimento a decer, a d+ivida a aumentar , já vai nos 133,1%quando devia estar a descer e a cerca de 128% pois os aumentos da despesa com reversões e outros a isso levam.

carlitos335 09.12.2016

EXPORTAÇÕES A CAIR ?!?
... "olhe que não, olhe que não".... diz o Costa.
Para ele as exportações estão a "cair para cima" !!
Pró Galamba, este Nuno Aguiar é um perigoso agente da reacção !
E a culpa é também dos patrões que não querem exportar por birra !

ver mais comentários
pub