Zona Euro Exportações levam Alemanha a crescer menos que o esperado no final do ano

Exportações levam Alemanha a crescer menos que o esperado no final do ano

A economia germânica encerra 2016 com um crescimento anual de 1,9%, depois de, no último trimestre, o PIB ter progredido 0,4%, abaixo dos 0,5% estimados pelos analistas, mas melhor que os três meses anteriores.
Exportações levam Alemanha a crescer menos que o esperado no final do ano
Reuters
Paulo Zacarias Gomes 14 de fevereiro de 2017 às 07:34

O contributo líquido abaixo do esperado do comércio internacional para a economia alemã, suportada no consumo interno, levou o produto interno bruto (PIB) germânico a crescer menos que o previsto pelos analistas no último trimestre do ano.

O PIB da maior economia da Europa cresceu 0,4% nos últimos três meses face ao trimestre anterior (ajustado a efeitos de calendário). O valor, divulgado esta terça-feira, 14 de Fevereiro pelo serviço federal de estatísticas, fica abaixo do esperado pelas autoridades, que apontavam no mesmo sentido dos analistas - um avanço de 0,5%.

Na base desta performance está sobretudo a procura interna, nomeadamente um aumento dos gastos públicos e a subida ligeira dos gastos das famílias, a que se junta o investimento impulsionado pela construção, segundo a Bloomberg. A travar um maior crescimento está o comércio internacional, com o ritmo de subida das importações a sobrepor-se ao das vendas ao exterior.

No conjunto do ano a economia cresceu 1,9%, no maior avanço em cinco anos, de acordo com a Lusa.

"Acreditamos que o crescimento vai ser suportado pela procura interna, sobretudo devido ao consumo privado mas também graças à despesa pública. E que a actividade de investimento está lentamente a ganhar ritmo," afirmou àquela agência noticiosa o economista Jens Kramer, da NordLB. 


A subida representa ainda assim uma aceleração em relação ao trimestre precedente, em que a economia tinha aumentado 0,1% em cadeia, com o país a beneficiar da fraqueza do euro (que torna as vendas ao exterior mais competitivas), da queda dos preços do petróleo e dos efeitos, nas economias compradoras, da política de estímulos do Banco Central Europeu.

Os números da principal economia do euro são conhecidos poucas horas antes de o Eurostat revelar a estimativa avançada para o PIB da União Europeia e da zona monetária para o último trimestre do ano. Na primeira previsão, o Eurostat via a Zona Euro a crescer 1,7% em todo o ano passado e a União Europeia a avançar 1,9%.

O valor está dentro das previsões da Comissão Europeia conhecidas ontem, dia em que reviu em alta o crescimento da economia para este ano - de 1,5%, para 1,6%.

(Notícia actualizada às 12:48 com referência ao crescimento da economia em todo o ano 2016)




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub
pub
pub
pub