Conjuntura Exportações puxam mais pelo PIB que procura interna

Exportações puxam mais pelo PIB que procura interna

A economia vai abrandar face a 2015 penalizada tanto na frente interna, como externa. A surpresa positiva são exportações de bens não energéticos, que ganham quota de mercado, e a negativa está na queda de 1,8% do investimento.
Exportações puxam mais pelo PIB que procura interna
Miguel Baltazar

O Banco de Portugal reviu a previsão de crescimento para a economia portuguesa de 1,3% para 1,1% este ano, alinhando-a com a maioria das estimavas revistas recentemente. A confirmar-se tratar-se-á de uma desaceleração da economia face aos 1,6% de crescimento registados em 2015, que traduz um pior desempenho interno e externo, e que tem no dinamismo das exportações de bens não energéticos a boa surpresa do ano, e na queda do investimento o desenvolvimento a mais preocupante.

De acordo com as previsões publicadas sexta-feira, dia 7 de Outubro, o crescimento de 1,1% será atingido com um contributo das exportações (líquido das importações) de 0,6 pontos. Esta é uma surpresa positiva: o contributo das exportações apanhou o banco central de surpresa –  foi revisto em alta de 0,3 pontos em Junho para os actuais 0,6 pontos –  e ultrapassa mesmo o contributo registado em 2015. Parcialmente a justificar o desempenho das exportações líquidas está um bom momento das vendas aos exterior de bens não energéticos que deverão ganhar quota de mercado, crescendo mais que em 2015, estima o banco central.

Pela negativa destaca-se o contributo para o crescimento da procura interna (também já líquida das importações), que contribuirá para o aumento real do PIB com apenas 0,5 pontos – o que também apanhou o banco central de surpresa (previa o dobro em Junho), e reflecte uma desaceleração significativa face ao contributo de 1,1 pontos registado em 2015.

A justificar o pior desempenho da procura interna está um abrandamento do consumo – que poderá estar a estabilizar depois do crescimento registado após a fase mais agitada da crise, admite o banco central – e, mais preocupante, uma queda de 1,8% no investimento, em contraste com o crescimento verificado nos dois últimos anos.

A queda é o desenvolvimento mais alarmante dos números avançados pelo Banco de Portugal, que identifica alguns dos factores de pressão este ano: piores condições climatéricas no início do ano prejudicaram o investimento residencial, a consolidação orçamental travou o investimento público, e o investimento empresarial poderá ter sido penalizado por maior níveis de incerteza política – isto para além de sofrer com os elevados níveis de endividamento empresarial que continuam a pesar nas opções das empresas e na sua capacidade de financiamento.

Desemprego surpreende pela positiva

O menor dinamismo da actividade económica contrasta, no entanto, com a evolução no mercado de trabalho. O Banco de Portugal está impressionado e antecipa que a taxa de desemprego fique nos 11,2%, abaixo até da previsão do Governo. Os bons resultados do mercado de trabalho impressionam mais tendo em conta a queda nas contracções do número de estágios financiados pelo IEFP.

O emprego está a crescer entre aqueles que têm qualificações superiores ao ensino secundário, destacam os economistas do banco central, que sublinham ainda que o desemprego caiu bastante entre os desempregados de curta e média duração, mantendo-se elevado para os de longa duração.

Na frente externa, as previsões apontam ainda para que o país continue a apresentar um excedente na balança corrente e de capital, equivalente a 1,3% do PIB e abaixo dos 1,7% de 2015, penalizada principalmente por mais rendimentos pagos ao exterior.

Meta de 2,5% de défice é possível O objectivo anual de estabelecido pelo Conselho para o défice de 2016 parece exequível", pode ler-se no Boletim Económico de Outubro do Banco de Portugal. "Contudo, deve sublinhar-se que a execução do segundo semestre não está isenta de riscos, sendo afectada por diversos factores como a entrada em vigor tardia do orçamento e impacto de medidas de política orçamental." Recorde-se que o Governo tinha como previsão no Orçamento do Estado para este ano um défice de 2,2% do PIB, com a Comissão Europeia a exigir um valor mínimo de 2,5%.

A execução orçamental tem dado bons sinais e outras instituições, como o Conselho das Finanças Públicas, também consideram que esse objectivo é possível. Por outro lado, o Fundo Monetário Internacional espera um défice de 3%. A ideia de que os 2,5% estão ao alcance do Governo é sublinhada logo no arranque do boletim, dizendo que o objectivo para o défice "pode ser atingido", embora aí sublinhe a existência de "factores de risco não negligenciáveis". De referir que esta estimativa não inclui ainda o perdão fiscal anunciado ontem pelo Governo que, nesta lógica de consolidação orçamental, representa um risco positivo.



A sua opinião7
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas


PS . BE . PCP são uns PHILHOS DE PHU TA que xupam o sangue ao POVO...

para dar mais dinheiro e privilégios aos FP & CGA.

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas


PS . BE . PCP são uns PHILHOS DE PHU TA que xupam o sangue ao POVO...

para dar mais dinheiro e privilégios aos FP & CGA.

Victor Lopes Há 3 semanas

Não era a Catarina Martins que dizia que "apostar nas exportações é uma treta"?

Serip Rotiv Há 3 semanas

Vamos lá a ver: Em 2015 sem a venda da PT por 4 biliões o investimento estrangeiro teria atingido mínimos. NÃO criou emprego mas, resultou de uma VENDA para resolver trapalhada OK?????

Kika Miranda Há 3 semanas

Como vão querer consumo interno se aumentam os impostos indiretos!

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub