Impostos Facturas terão de ser enviadas ao Fisco até dia 20

Facturas terão de ser enviadas ao Fisco até dia 20

A versão final do Orçamento do Estado vai prever redução gradual do prazo de comunicação das facturas ao Fisco pelos comerciantes. O dia oito de cada mês, que estava inicialmente previsto para 2017, só será aplicável em 2019.
Facturas terão de ser enviadas ao Fisco até dia 20
Bruno Simão
Elisabete Miranda 17 de Novembro de 2016 às 22:00
O Governo mantém a intenção de reduzir o prazo que os empresários têm para comunicarem mensalmente as facturas que emitiram ao Fisco, pelo e-fatura, mas vai fazê-lo de forma gradual do que o inicialmente previsto e, em 2017, o prazo apenas encurtará em cinco dias.

Esta será uma entre as dezenas de propostas de alteração ao Orçamento do Estado que estão a ser ultimadas pelo Governo para chegarem ao Parlamento esta sexta-feira, o último dia oficial para o efeito.

Actualmente, os empresários têm até ao 25º dia do mês seguinte para enviarem os elementos de facturação do mês anterior, um prazo que é considerado demasiado dilato pela Autoridade Tributária. A intenção original do Governo, e que constava da proposta de OE/2017, passava por baixar este prazo do dia 25 para o dia 8, uma redução que entretanto foi considerada muito abrupta.

A opção final passa, assim, por criar um esquema de redução progressiva do prazo de comunicação, de modo a permitir às empresas uma transição mais suave. 

Assim, em 2017 a data de comunicação das facturas passa para dia 20 do mês seguinte, em 2018 baixa para dia 15 e só em 2019 se fixará no dia 8 do mês seguinte ao da facturação, adiantou ao Negócios fonte do Ministério das Finanças.

O objectivo desta redução de prazos é múltiplo: por um lado, limita-se a possibilidade dos empresários emitirem facturas com datas anteriores à real; por outro lado, dá-se ao Fisco informação mais atempada para fazer os cruzamentos; do lado dos contribuintes, permite-lhes ter acesso, mais cedo, aos seus dados no e-fatura; e, do lado do Governo, garante-se que passa a conhecer mais cedo os elementos que lhe permitem estimar a receita de IVA do período e o andamento da execução orçamental.

Na frente fiscal, o Governo prepara igualmente uma bateria de propostas de alteração ao adicional ao IMI, o novo imposto sobre o património imobiliário de elevado valor (ver texto ao lado) e uma mexida intercalar nas despesas de educação que resolva a discriminação que se tem verificado nomeadamente ao nível das despesas de alimentação e de transporte.

Esta solução será provisória, em princípio para vigorar temporariamente, enquanto o Governo não se conseguir pôr de acordo relativamente à forma como vai introduzir maior progressividade no IRS. Tal como o Negócios já avançou, tanto o PS como o BE tinham desenhada uma solução que transformava as actuais despesas de educação em despesas gerais familiares e baixava o valor da dedução, mas ela não teve pernas para andar por falta de consenso dentro do Governo.



A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado americo Há 2 semanas

O SAFT-T é relativo às Faturas emitidas a clientes.
A proposta da OCC parece-me boa e equilibrada:
- Antecipar para dia 15
- Atribuir um beneficio fiscal de abater 250 Eur ao rendimento (cerca de 50 Eur de IRC/IRS) a quem fizer a comunicação de faturas eletrónicas (na hora, logo que é emitida) ou, a quem entregar por SAF-T, o entregue até ao dia 1 do mês seguinte.

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

O interessante seria as empresas só entregarem o IVA das faturas pagas pelos clientes. Essa é uma reforma que está na gaveta e vai sendo sempre colocada nos papeis de baixo e seria uma medida justa para empresas que são prejudicadas pelos "caloteiros"

Anónimo Há 2 semanas


O verdadeiro crime organizado


ARMÉNIO CARLOS ROUBA OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO

Vitória para uns, significa derrota para os outros.

As vitórias de Arménio Carlos traduzem-se sempre em mais privilégios para a FP e ...

mais impostos sobre os restantes trabalhadores, para sustentar esses privilégios.


joao Há 2 semanas

Beruno se estivesses calado estavas melhor. As empresas enviam o ficheiro das faturas emitidas e NAO das RECEBIDAS! entendido?

americo Há 2 semanas

O SAFT-T é relativo às Faturas emitidas a clientes.
A proposta da OCC parece-me boa e equilibrada:
- Antecipar para dia 15
- Atribuir um beneficio fiscal de abater 250 Eur ao rendimento (cerca de 50 Eur de IRC/IRS) a quem fizer a comunicação de faturas eletrónicas (na hora, logo que é emitida) ou, a quem entregar por SAF-T, o entregue até ao dia 1 do mês seguinte.

pub
pub
pub
pub