Política "Falsidade", diz Sócrates sobre dúvidas de autoria do livro

"Falsidade", diz Sócrates sobre dúvidas de autoria do livro

José Sócrates defendeu que a atribuição da autoria dos seus livros a um professor universitário, que terá sido feita pela investigação na Operação Marquês, visa um objectivo político por parte da justiça.
"Falsidade", diz Sócrates sobre dúvidas de autoria do livro
Bruno Simão/Negócios
Paulo Zacarias Gomes 28 de Outubro de 2016 às 20:43

O antigo primeiro-ministro José Sócrates considerou que as alegações de que o livro "O Dom Profano, Considerações sobre o carisma" não será da sua autoria são uma "falsidade" com origem na investigação judicial que se concentra em "denegrir pessoas".

"Todas essas alegações são absolutamente falsas, desmentidas por toda a gente, só existem com um objectivo. O objectivo da justiça não deve ser político, deve concentrar a acção penal na descoberta da verdade e de crime e não em denegrir pessoas," afirmou esta sexta-feira, 28 de Outubro em Lisboa, onde esteve para a apresentação da obra, a segunda no espaço de três anos.

"Acho que não há ângulo de decência para olhar para esta investigação. Verdadeiramente uma investigação que se centra nessa falsidade, e numa campanha de falsidade absolutamente lamentável que visa denegrir-me, diz tudo aos portugueses ao ponto a que chegámos", insistiu, respondendo a perguntas dos jornalistas.

Em causa está uma notícia da Visão, que cita conclusões da equipa da Operação Marquês, segundo as quais o professor de Direito Domingos Farinho e a mulher, Jane Kirkby, terão recebido 100 mil euros para escrever as obras assinadas por Sócrates através da RMF, uma empresa detida por Rui Mão de Ferro, arguido no processo e sócio de Carlos Santos Silva, outro dos arguidos. 

Para além da intervenção no anterior livro - "A Confiança no Mundo – Sobre a tortura em democracia", apresentado em 14 de Outubro de 2013, os pagamentos teriam servido também para que Farinho fosse o "ghostwriter" da obra apresentada esta sexta-feira.

Uma tese desmentida pelo próprio docente universitário no início deste mês, depois de a revista Visão ter escrito que o professor universitário terá recebido aquele montante para o fazer. Farinho reconheceu no entanto ter colaborado na obra.

"Não escrevi a tese de mestrado de José Sócrates. A minha colaboração foi formal. Não tive qualquer participação em livro subsequente", garantiu, dando conta de que prestou declarações ao Ministério Público a este propósito.

José Sócrates foi detido a 22 de Novembro de 2014 no âmbito de indícios de fraude fiscal, branqueamento de capitais e corrupção, na denominada Operação Marquês. Preso preventivamente na cadeia de Évora, foi libertado fez recentemente um ano, a 16 de Outubro de 2015. O Ministério Pública continua sem produzir acusação ou arquivar o processo. 




A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 4 dias

O poeta escritor. Só pela assistência a gente percebe logo o embrulho. Reparem que para o currículo o que contou foi o número de vezes que o visitaram à prisão. Deprimente.

Antonio Sousa Há 5 dias

http://www.dn.pt/portugal/interior/ps-deve-47-mil-euros-mas-recusa-pagar-porque-senhorio-nao-fez-obras-5467292.html

Virgínia Dias Há 5 dias

Calúnias pá!

Carlos Ramos Há 5 dias

Porco

ver mais comentários
pub