Saúde Falta de ortopedistas no Algarve leva PSD a exigir medidas ao Governo

Falta de ortopedistas no Algarve leva PSD a exigir medidas ao Governo

O PSD/Algarve exigiu este sábado a tomada de medidas urgentes pelo Governo para resolver o problema da falta de especialistas nos hospitais públicos do distrito de Faro, como é o caso dos ortopedistas.
Falta de ortopedistas no Algarve leva PSD a exigir medidas ao Governo
Ricardo Castro/Negócios
Lusa 31 de dezembro de 2016 às 18:22

Em comunicado, o partido considera "inconcebível" que durante o dia de hoje e 1 de Janeiro a escala de urgência de ortopedia dos hospitais da região tenha "apenas um médico desta especialidade".

 

À Lusa, o presidente do conselho de Administração do Centro Hospitalar Algarvio (CHA), Joaquim Ramalho, admitiu que o CHA não tem o número ideal de ortopedistas nas escalas para estes dias, ou seja, seis especialistas para cada 24 horas, mas frisou que o atendimento na região está garantido.

 

"A prestação de cuidados de saúde urgentes na região, mesmo na área da ortopedia, está garantida" disse Joaquim Ramalho, acrescentando que além das equipas do CHA foi accionado um protocolo de colaboração com o Hospital Particular do Algarve para reforçar o serviço de urgência de ortopedia.

 

Com este protocolo, o CHA pretende assegurar o atendimento na região e evitar a deslocação de doentes para serviços de ortopedia localizados em Lisboa, como acontecia até Junho deste ano.

 

Em caso de urgência, todos os utentes do Serviço Nacional de Saúde (SNS) devem dirigir-se a um dos serviços de urgência do CHA para serem tratados localmente e, em caso de necessidade serão encaminhados para outra unidade.

 

O atendimento directo na unidade particular de saúde não será considerado atendimento pelo SNS.

 

Apontando que a passagem de ano, é uma data que atrai visitantes e chega a duplicar o número de pessoas na região, o PSD/Algarve salienta que esse aumento temporário populacional exige uma "maior resposta dos serviços de saúde".

 

O PSD/Algarve afirma que se tem "assistido, de forma mais aguda e recorrente, a falhas nos serviços de saúde da região, facto que é incontestavelmente atestado pela redução da quantidade e qualidade da oferta assistencial por comparação a anos anteriores".

 

Em reacção ao comunicado emitido pelo PSD/Algarve, o conselho de administração do CHA disse estranhar o momento do seu envio uma vez que "não dá qualquer contributo para resolver os problemas, e apenas pode contribuir para criar alguma intranquilidade na população".




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 31.12.2016

Falem com os competentes Passos, Cavaco e Paulo Macedo que eles resolvem o problema.
No reinado do PSD/CDS deixavam os doentes morrer por falta de médicos, agora ..., que nojo a política portuguesa.

comentários mais recentes
Anónimo 01.01.2017

Exigem a este governo o que não resolverem na governação deles

Anónimo 01.01.2017

O BCE pensou,a gerigonca fez:andaram de avioneta a espalhar dinheiro pelos publicos q a casalinho foi ao mercado sacar.O d.branca disse o q pensou:vou esbanjar milhoes pelos publicos q eles trajem um retorno bem muito maior,como tal nao aconteceu cai-se em cima do anterior governo.Mald.roleta Russa.

Anónimo 31.12.2016

A gestão do país conduz a isto falta de médicos em alguns hospitais e excesso noutros!!

Anónimo 31.12.2016

Falem com os competentes Passos, Cavaco e Paulo Macedo que eles resolvem o problema.
No reinado do PSD/CDS deixavam os doentes morrer por falta de médicos, agora ..., que nojo a política portuguesa.

pub