Finanças Públicas Famílias poupam 4% do rendimento disponível

Famílias poupam 4% do rendimento disponível

A taxa de poupança das famílias portuguesas no ano terminado em Setembro atingiu os 4% do seu rendimento disponível, um valor superior ao do trimestre anterior, mas ainda historicamente baixo.
Famílias poupam 4% do rendimento disponível
Bruno Simão/Negócios
Rui Peres Jorge 23 de Dezembro de 2016 às 16:06

Nos 12 meses terminados em Setembro as famílias portuguesas pouparam 4% do rendimento disponível, divulgou o INE esta sexta-feira, 23 de Dezembro, no âmbito das estatísticas trimestrais sobre a evolução da economia nacional por sector institucional. O valor traduz um ligeiro aumento face aos 3,9% do do trimestre anterior, beneficiando de um crescimento maior do rendimento face ao consumo, explica o instituto de estatística.

"A taxa de poupança das famílias fixou-se em 4,0%, mais 0,1 pontos percentuais que no trimestre precedente, reflectindo um crescimento ligeiramente mais elevado do rendimento disponível comparativamente com o da despesa de consumo final (0,8% e 0,7%, respectivamente)", lê-se na nota divulgada pelo INE, que associa o aumento de rendimento a uma subida das remunerações recebidas pelas famílias e a uma queda do IRS decorrente de alterações nos prazos de reembolsos e cobrança deste imposto.

O INE dá ainda conta de um maior financiamento das famílias ao resto da economia: "A capacidade de financiamento das famílias passou de 0,6% para 0,8% do PIB no 3º trimestre de 2016", nota o INE, que dá também conta de uma estabilização dos excedentes financeiros registados pelas empresas no ano terminado em Setembro: "Os saldos das sociedades não financeiras e das sociedades financeiras estabilizaram em 0,4% e em 3,3% do PIB, respectivamente", lê-se na nota do instituto.

Neste período, as administrações públicas registaram um défice de 3,6% do PIB, um valor superior aos 3,5% do PIB do trimestre anterior e significativamente acima do défice de 2,5% do PIB apurado para os primeiros nove meses de 2016 porque contabiliza o resgate do Banif no último trimestre de 2015 (avaliado em 1,3% do PIB).

Contas feitas ao total da economia, Portugal registou um excedente de financiamento face ao resto do mundo de 0,9% do PIB no ano terminado em Setembro, um valor ligeiramente superior aos 0,8% do PIB observados até Junho.

Estes resultados foram conseguidos com um aumento do excedente comercial, explica ainda o INE: "O saldo externo de bens e serviços aumentou para 1,3% do PIB (mais 0,2 pontos percentuais que no trimestre anterior), tendo as exportações de bens e serviços aumentado 0,7%, mais 0,5 p.p. que as importações", lê-se na nota que acompanha os dados macroeconómicos.




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 6 horas


Um governo de ladrões

PS - BE - PCP - e seus apoiantes - DEIXAM MORRER UTENTES DO SNS... PARA DAR MAIS DINHEIRO AOS FP:

- PS aumenta despesa com os salários dos ladrões FP em 500 milhões de Euros;

- PS reduz o horário dos ladrões FP para 35 horas;

- PS corta o orçamento dos Hospitais Públicos.

comentários mais recentes
Anónimo Há 6 horas


Um governo de ladrões

PS - BE - PCP - e seus apoiantes - DEIXAM MORRER UTENTES DO SNS... PARA DAR MAIS DINHEIRO AOS FP:

- PS aumenta despesa com os salários dos ladrões FP em 500 milhões de Euros;

- PS reduz o horário dos ladrões FP para 35 horas;

- PS corta o orçamento dos Hospitais Públicos.

Anónimo Há 6 horas


Ladrões FP - CGA - 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


As pensões douradas da CGA são SUBSIDIADAS em 500€, 1000€, 1500€ e mais… POR MÊS.


ESTAS PENSÕES DEVEM TER CORTES IMEDIATOS.


pub
pub
pub
pub