Política FBI quer comprovar contactos entre conselheiros de Trump e a Rússia

FBI quer comprovar contactos entre conselheiros de Trump e a Rússia

O FBI e alguns serviços secretos norte-americanos estão a conduzir múltiplas investigações para determinarem a real extensão dos contactos que conselheiros e associados de Donald Trump terão mantido com a Rússia, durante e depois da campanha presidencial.
FBI quer comprovar contactos entre conselheiros de Trump e a Rússia
Jonathan Ernst/Reuters
Carla Pedro 15 de fevereiro de 2017 às 21:40

Várias agências de informação e o FBI estão a realizar investigações para apurarem se houve esforços da Rússia para se imiscuir nas eleições presidenciais dos Estados Unidos. E estão também a coordenar trabalhos entre si. A informação foi avançada à Bloomberg por quatro responsáveis pela segurança nacional.

 

Estas investigações, refere a mesma fonte, começaram antes de o tenente-general reformado Michael Flyyn se ter demitido na segunda-feira, 13 de Fevereiro, do cargo de conselheiro de segurança nacional de Trump.

 

A polémica em torno de Flynn surgiu quando, na semana passada, o The Washington Post noticiou que o conselheiro de Trump tinha falado – durante contactos telefónicos com representantes russos, nomeadamente o embaixador russo junto das Nações Unidas, Sergey Kislyak – sobre as sanções impostas pelos EUA à Rússia na sequência da anexação unilateral da Crimeia pela Rússia em 2014.

 

Flynn começou por negar esses factos, sendo depois acusado de mentir quando admitiu que o tema das sanções poderia ter surgido durante os telefonemas – alguns dos quais feitos ainda durante a campanha de Trump para as eleições presidenciais de 8 de Novembro.

 

Por esse facto, Flynn pediu desculpas a Mike Pence [que o tinha defendido em várias ocasiões a respeito desta polémica9, reconhecendo que tinha fornecido "informação incompleta" sobre essas conversas ao vice-presidente. O tenente-general achou então, por bem, apresentar a sua demissão.

 

No dia seguinte (terça-feira), Kellyane Conway, conselheira da Casa Branca, declarou que Michael Flynn tinha a confiança de Trump – apesar de o presidente ter mantido o silêncio.

 

Já na quarta-feira, Sean Spicer, porta-voz da Casa Branca, comunicou em conferência de imprensa que a demissão de Flyn tinha sido decidida pelo próprio presidente devido a uma "perda de confiança".

 

Além de Flynn, os serviços secretos e FBI estão também a investigar as actividades de outros próximos de Trump, como o seu ex-director de campanha, Paul Manafort, o consultor em energia Carter Page, bem como o republicano Roger Stone, refere a Bloomberg.


(notícia actualizada à 01:26)




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Lenin Há 6 dias

...ainda chegarão à conclusão que a eleição de Trump foi um grande "golpe de estado Russo"...na tão proclamada "maior democracia do mundo"... Vem aí ainda mais confusão!...deve haver muito negocio de Trump na Russia de Putin...

pub
Saber mais e Alertas
pub
pub
pub