Política Monetária Fed sobe juros pela terceira vez este ano

Fed sobe juros pela terceira vez este ano

A Reserva Federal norte-americana aumentou a taxa de juro directora em 25 pontos base, tal como se antecipava. Foi a última reunião em que a ainda presidente Janet Yellen participou numa subida de juros, uma vez que não se espera medida idêntica no último encontro a que presidirá, em Janeiro.
Fed sobe juros pela terceira vez este ano
Andrew Harrer/Bloomberg
Carla Pedro 13 de dezembro de 2017 às 19:06

A Reserva Federal dos EUA anunciou uma subida da taxa directora em 25 pontos base, para um intervalo entre 1,25% e 1,50%.

Esta era a decisão esperada e que fez com que os títulos da banca disparassem nos últimos dias, do outro lado do Atlântico, levando os principais índices de Wall Street a estabelecerem novos máximos históricos.

O Comité Federal de Mercado Aberto (FOMC), o principal órgão da Fed em matéria de política monetária, sublinha que os dados que recebeu desde a reunião de Novembro mostram que o mercado laboral continuou a fortalecer-se e que a actividade económica tem vindo a crescer a um ritmo sólido.

O FOMC cita o facto de o aumento do emprego nos EUA estar a ser sólido e de a taxa de desemprego ter descido ainda mais. Além disso, sublinha que os gastos dos consumidores estão a aumentar a um ritmo moderado e que o crescimento do investimento fixo das empresas disparou nos últimos trimestres.


Todo este enquadramento propiciou uma subida da taxa dos fundos federais.

"Nos termos do seu mandato legal, o Comité procura promover o máximo emprego e a estabilidade dos preços. As perturbações e trabalhos de reconstrução relacionados com os furacões afectaram a actividade económica, o emprego e a inflação nos últimos meses, mas não alteraram de forma material o panorama para a economia nacional", refere o comunicado do FOMC.

Consequentemente, acrescenta, "o Comité continua a esperar que, com ajustamentos graduais no posicionamento da política monetária, a actividade económica se expanda a um ritmo moderado e que as condições do mercado de trabalho continuem sólidas".

 

Além disso, estima que a inflação, numa base anual, se mantenha algures abaixo da sua meta de 2%, no curto prazo, mas devendo estabilizar no médio prazo em torno do objectivo da Fed.

O FOMC sinaliza ainda que prosseguirá a via da subida gradual dos juros, como tem acontecido neste mandato de Yellen. "O Comité espera que as condições económicas evoluam de forma a garantir aumentos graduais da taxa dos fundos federais; essa taxa deverá manter-se, durante algum tempo, abaixo dos níveis que se estima que venham a prevalecer no mais longo prazo. No entanto, a trajectória dessa taxa dependerá das perspectivas económicas que decorrerão dos dados que forem sendo divulgados", conclui.

A Fed tem projectados mais três aumentos de juros em 2018 e outros três em 2019 até se chegar ao patamar de 2,8% que espera manter no longo prazo. A Reserva Federal aos comandos de Powell deverá, pois, manter o ritmo gradual de subidas que se observou sob a batuta de Yellen.


Yellen só preside a mais uma reunião


A ainda presidente da Reserva Federal norte-americana anunciou no passado dia 20 de Novembro que deixará o banco central em Fevereiro, quando o seu sucessor tomar posse.


A 3 de Fevereiro, Jerome Powell assumirá as rédeas da Reserva Federal dos Estados Unidos, sucedendo assim a Janet Yellen, que não foi reconduzida na presidência do banco central.


Yellen tinha assento na administração da Reserva Federal até 2024. No comunicado de 20 de Novembro disse então que se demitia de membro do conselho de governadores do Sistema da Reserva Federal, "que se efectivará quando o seu sucessor tomar posse como presidente".


Actualmente com 71 anos, foi nomeada por Barack Obama para integrar o conselho de governadores da Fed até 31 de Janeiro de 2024. O seu mandato ao leme do banco central do país teve início a 1 de Fevereiro de 2014, altura em que sucedeu a Ben Bernanke, e termina a 3 de Fevereiro de 2018 – dia em que se fará a passagem do testemunho.

Yellen é ainda presidente do Comité Federal de Mercado Aberto (FOMC, na sigla anglo-saxónica), o principal órgão da Reserva Federal em matéria de política monetária - que também deixará quando sair.


No passado dia 2 de Novembro, Jerome Hayden Powell foi anunciado feira como o 16.º presidente da Reserva Federal norte-americana. Tal como já se esperava, Donald Trump apontou o nome do republicano de 64 anos, que está na Fed desde 25 de Maio de 2012, como o sucessor de Yellen. Para tudo se efectivar e Powell tomar posse em Fevereiro, falta apenas a confirmação do Senado.


(notícia em actualização)



A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana

Quando é que sobem os juros dos depósitos a prazo? Pagam-me tanto por um depósito de 30.000,00 euros como pago pela comissão de manutenção da conta D.O.. Assim não dá.

comentários mais recentes
BCP : OPA A CAMINHO Há 1 semana

O BCP até ao fim deste mês estará a rondar os 38 cêntimos,a subida do rating Português,coloca o banco noutro patamar.Ate ao final 2018,entre bons resultados e melhorias de ratings, teremos o primeiro aumento das txs de juro(ouro sobre azul para a banca).

Anónimo Há 1 semana

Quando é que sobem os juros dos depósitos a prazo? Pagam-me tanto por um depósito de 30.000,00 euros como pago pela comissão de manutenção da conta D.O.. Assim não dá.