Função Pública Fenprof: Greve encerra 90% das escolas em todo o país

Fenprof: Greve encerra 90% das escolas em todo o país

A greve de professores e funcionários escolares obrigou ao encerramento de 90% das escolas de todo o país, sendo já considerada "a maior greve de professores desde 2013", segundo a Fenprof.
Fenprof: Greve encerra 90% das escolas em todo o país
Lusa 27 de outubro de 2017 às 12:38

Em declarações aos jornalistas, o secretário-geral da Federação Nacional de Professores (Fenprof), Mário Nogueira, apresentou os primeiros dados sobre o efeito da greve nacional da Função Pública e da adesão dos professores à paralisação.

 

"Há 90% de escolas fechadas. Há agrupamentos inteiros encerrados", disse Mário Nogueira, referindo-se a estabelecimentos de ensino desde o Norte até ao Sul do país.

 

"Há direções inteiras de escolas a fazer greve", disse Mário Nogueira, dando como exemplo escolas no Seixal.

 

"Esta greve é claramente a maior greve desde 2013, altura em que foram feitas três semanas de greve no período de avaliações", afirmou o líder da Fenprof, alertando o Governo que tem de olhar para estes números como "um sério aviso que não pode deixar de ser tido em conta".

 

Na Escola Secundária do Lumiar, em lisboa, 73% dos docentes fizeram greve, enquanto na Quinta dos Franceses, no Seixal, a adesão foi de 100% e na escola Rainha Santa, em Coimbra, apenas 7% dos professores compareceram esta manhã, segundo números da Fenprof, que revelam que as escolas do primeiro ciclo do concelho de Faro estão hoje todas encerradas.

 

Mário Nogueira voltou hoje a sublinhar que é "absolutamente inaceitável" a proposta do Orçamento do Estado no que toca à carreira dos professores, que são vítimas de uma "discriminação inadmissível".

 

Segundo a Fenprof, ao contrário dos outros funcionários públicos, os professores vão perder "nove anos, quatro meses e dois dias".

 

A adesão à greve no segundo turno dos hospitais e nas escolas estava, às 10:00 de hoje, próxima dos 100%, segundo a coordenadora da Frente Comum de sindicatos da Função Pública, Ana Avoila.

 

Os professores também estão a cumprir uma greve, convocada pela Federação Nacional dos Professores (Fenprof) em defesa dos direitos, das carreiras, da estabilidade e dos salários.

 

Em causa na greve nacional está a falta de respostas às reivindicações da Frente Comum, como o aumento dos salários na função pública, o descongelamento "imediato" das progressões na carreira e as 35 horas semanais para todos os trabalhadores.

 

Esta é a terceira greve nacional dos trabalhadores da Administração Pública com o actual Governo e a primeira convocada pela Frente Comum de Sindicatos, segundo a listagem cedida pela estrutura sindical.

 

A primeira greve com o executivo de António Costa ocorreu em 29 de Janeiro de 2016 e foi convocada pela Federação Nacional dos Sindicatos da Administração Pública, assim como a de 26 de maio deste ano, que teve como objectivo reivindicar aumentos salariais, o descongelamento das carreiras, o pagamento de horas extraordinárias e a redução do horário de trabalho para 35 horas em todos os serviços do Estado.

 




A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Nunes Há 3 semanas

Ele aí anda a querer trepar na Carreira como os que dão aulas. O paleio do "somos todos bons" é um modo de garantir que quem não dá aulas tenha uma Carreira igual aos desgraçados que leccionam 10 turmas.

comentários mais recentes
judas a cagar no deserto Há 3 semanas

O Sr Ministro da Educação Sr Mário Nojeira está bem a fotografia.

Na proxima semana não há greve outra vez à 5ª e 6ª feira ?

Dava jeito um fim de semana de 5 dias seguidos.

Anónimo Há 3 semanas

É? marquem já a segunda... àh... e não esqueçam, sempre às sextas feiras! só assim conseguem adesão.

JMBorralho Há 3 semanas

Não estão bem entregues os filhos e os netos dos portugueses! Esta "classe" levou na tromba e não piou! Agora recebem e param! Porquê? Porque não lhes dão, duma vez, aquilo que querem!
Passos volta, estás perdoado!

Anónimo Há 3 semanas

O fim da ditadura dos sindicatos está próxima. O povo está farto de sofrer.

ver mais comentários
pub