Orçamento do Estado Ferreira Leite: "A crispação relativamente ao Orçamento é absolutamente injustificável"

Ferreira Leite: "A crispação relativamente ao Orçamento é absolutamente injustificável"

A antiga ministra das Finanças considera que existe uma "uma dramatização absolutamente injustificável" em torno da discussão do Orçamento do Estado e que se há um vencedor deste "braço-de-ferro" é o Governo português.
Ferreira Leite: "A crispação relativamente ao Orçamento é absolutamente injustificável"
Bruno Simão/Negócios
Negócios 05 de fevereiro de 2016 às 09:55

Na opinião da antiga ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, "a crispação que existe no país relativamente à proposta do Orçamento é absolutamente injustificável". A ex-líder social-democrata desvalorizou, esta quinta-feira no programa Política Mesmo, na TVI24, a excessiva preocupação em relação ao Orçamento do Estado para 2016, falando de "dramatização".

"O que é normal é que analisem os países todos em conjunto, o que não foi o caso. Com o nosso atraso em relação à apresentação do Orçamento ficámos sozinhos na mesa das negociações e portanto ficou um foco maior sobre nós", analisou Manuela Ferreira Leite.

A antiga ministra das Finanças desvaloriza, por isso, a preocupação com o Orçamento do Estado para 2016 que não será "maior ou menor do que aquela que é em relação a outros países, como é o caso de Espanha, Itália e França".

Costa vence braço-de-ferro

Para a antiga líder do PSD, "o Governo português deve ter querido mostrar que não se conforma com tudo", e que por isso "em termos formais e políticos o Governo português ganhou", uma vez que "não tendo abdicado daquelas medidas que lhe garantiam o apoio" dos partidos que formam com o PS a maioria parlamentar de esquerda (PCP, BE e PEV), o Governo "quis mostrar, em termos políticos, que também não se conformava com tudo o que lhe diziam" e conseguiu um resultado com cedências de parte a parte.

"Bruxelas cedeu nalgumas coisas, o Governo português [cedeu] noutras", analisou.

O documento ontem aprovado pelo conselho de ministros "tem o cuidado de que as contas estejam equilibradas dentro dos critérios que estão a ser seguidos por Bruxelas e isso é bom para Portugal e para a sua credibilidade externa - que não se pense que não interessam nada as contas, interessam, é necessário fazê-las -, e ao mesmo tempo não tendo abdicado das medidas que lhe garantiam o apoio dos partidos que o apoiam na Assembleia, garantindo a aprovação do orçamento", sublinhou a social-democrata.

Posto isto, se há algum vencedor do braço-de-ferro entre o Governo e Bruxelas esse é António Costa, conclui.

Questionada sobre a banca, a antiga ministra é firme: "E os cidadãos não estão também numa situação tão frágil? Não levaram com redução de vencimentos e com redução de reformas e aumentos de IRS? Ainda está tudo vivo e ninguém morreu. Não posso ficar a chorar a banca."

Sobre a recandidatura de Passos Coelho à liderança do PSD, a antiga líder do PSD que disputou a liderança do partido em Maio de 2008 elogiou a escolha do slogan ("Social-democracia, Sempre!"), como ferramenta para recentrar o partido.

"Se ele considera que nunca saiu [da social-democracia] não sou eu que vou dizer que ele pensa que saiu. Mas a percepção pública não é essa, foi completamente diferente. Há que fazer um ajustamento do discurso para que [a percepção] passe a ser diferente", considerou.




A sua opinião29
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado AVerVamos 05.02.2016

Só existe um pequeno grande problema Dr. MFL. A Sr.(a) observa o caso sob natureza politica. As criticas de muitos são sobre o seu conteúdo!!
A questão é pensa que o país está em condições para apresentar um orçamento com aquelas contas? Ou seja, está o país em condições para :
-Devolver 35 h tra à FP?
-Manter TAP, MTL, Carris, STCP, etc?
-Baixa de IVA de restauração?
- Enfim, e tudo aquilo que sabemos..

Qualquer cidadão com alguma formação, e sem clubismos partidários (onde me incluo, possuo um expectro amplo) verifica que é demasiadamente cedo para "propaganda"..E deixe-me adiantar-lhe que as previsões da OCDE, FMI, UE vão ser CERTEIRAS, e contrárias às do actual governo! Fazer omoletes com cascas não deixa de ser omolete de ovos...Percebe?? O povo engole aquilo que olhes vendem!!!
Também sabemos os seus "desgostos" com a actual direção do PSD..

comentários mais recentes
Anónimo 06.02.2016

Passos já não carrega.
Por incrível que pareça, ainda há quem julgue que o Passos pode carregar.
Passos é agora um PM exilado e qualquer dia põem-lhe uns patins.
Já faltou mais.
O tempo de aproveitar a situação para vender tudo ao desbarato, sacrificar a população e favorecer a Banca já lá vai.

genio2 06.02.2016

Esta senhora quando abre a boca só diz disparates.
Francamente...

rosinda 05.02.2016

esta velha se tem o azar de se canditar seja ao que for leva uma tareia como levou maria de belem!

Juca 05.02.2016

Oh Manela, francamente, estás pior! Desde aquele período em que querias autoestradas de todo o litoral para Madrid... que já não estavas bem... tens vindo a piorar alarvemente.

ver mais comentários
pub