Impostos Ferreira Leite: Sistema fiscal em Portugal "beneficia os mais ricos e prejudica os pobres"

Ferreira Leite: Sistema fiscal em Portugal "beneficia os mais ricos e prejudica os pobres"

"A complexidade do sistema fiscal é cada vez maior e o aumento do número de conflitos significa uma máquina fiscal que não funciona, que não permite maior redistribuição, equidade e melhor eficiência," defende a ex-ministra das Finanças.
Ferreira Leite: Sistema fiscal em Portugal "beneficia os mais ricos e prejudica os pobres"
Pedro Elias/Negócios
Lusa 24 de maio de 2017 às 16:24
A antiga ministra das Finanças Manuela Ferreira Leite defendeu hoje que o sistema fiscal em Portugal deve ser simplificado, uma vez que a sua complexidade "beneficia os mais ricos e prejudica os pobres".

"O grande problema que se nos vai por é a questão fiscal. Vai ser premente em termos de discussão política e europeia", disse a economista na 5.ª Edição do Fórum das Políticas Públicas realizado no ISCTE - IUL, em Lisboa, lembrando que o sistema fiscal português "é altamente complexo" e que "grande parte dos países que fazem reformas fiscais é para simplificar o sistema".

E prosseguiu: "A complexidade do sistema fiscal é cada vez maior e o aumento do número de conflitos significa uma máquina fiscal que não funciona, que não permite maior redistribuição, equidade e melhor eficiência".

"Os sistemas fiscais mais complexos beneficiam os mais ricos e prejudicam os pobres", advertiu a economista, lembrando também que a questão da harmonização fiscal na União Europeia em relação ao IRC, "não existe e é um grande problema de concorrência".

Manuela Ferreira Leite considerou também que "é injusto e inaceitável" que parte dos rendimentos das empresas "não sejam tributados no país onde são gerados", dando como exemplo o Luxemburgo.

Para a antiga ministra isso cria "uma distorção na concorrência, que é verdadeiramente inaceitável" e lembrou que aqueles países que "são muito rígidos" e por isso menos abertos à harmonização fiscal "são os que mais beneficiam".

Já Bagão Félix, antigo ministro da Segurança Social, ao falar sobre equidade fiscal, manifestou a sua preocupação com "a redistribuição geracional".

 

"Estamos perante uma questão de orçamentação geracional que se coloca em termos gerais, mas também ao nível das funções sociais do Estado", afirmou.

 

O economista defendeu que para haver equidade fiscal a legislação portuguesa terá de ser "mais simples de entender e aplicar", posição partilhada pela economista Manuela Ferreira Leite.

 

"Isto é meio caminho andado para que haja equidade fiscal", acrescentou Bagão Felix.

 

Além disso, considerou que a questão da estabilidade do sistema fiscal "é crucial", adiantando que é mesmo "uma questão patrimonial" do sistema fiscal português.

 

Bagão Félix, manifestou-se, no entanto, contra a adopção de políticas adjacentes, isto é, que "não são do sistema tributário", pois não se cingem ao núcleo das despesas fiscais "inerentes à vida", nomeadamente as de saúde e habitação.

 

"Há imensas coisas que estão na despesa fiscal e não deveriam estar lá", frisa o economista.

 

Tanto Manuela Ferreira Leite como Bagão Félix manifestaram também a discordância em relação a uma reforma fiscal em Portugal feita com "remendos e ajustamentos fiscais", numa alusão à introdução dos escalões no IRS (Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares).

 

A economista adverte para o facto de este ajustamento fiscal "dar um ar que beneficia as populações, mas [ressalva] os mais prejudicados são aqueles que têm menos rendimentos".

 

Manuela Ferreira Leite não só se mostrou contra o actual "sistema fiscal [complexo]" como entende que todo o sistema de deduções "é extremamente difícil de alterar".

 

"Não há passagem automática do pior sistema fiscal para o melhor sistema fiscal", alerta, lembrando que é necessário haver tempo.

 

O economista Francisco Louçã, que participou também no Fórum das Políticas Públicas, mostrou-se a favor da simplificação do sistema fiscal e alertou para o facto de ao se introduzir um só escalão no IRS poder haver "um efeito regressivo".

 

"Ao introduzir um só escalão é muito provável que o feito produtivo seja regressivo", disse o professor do Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), lembrando ainda que "é uma boa razão e é mais vantajoso alterar mais que um escalão, se isto for combinado com um novo regime de deduções ou para os simplificar".

 

Embora os três economistas vejam com dificuldade a realização de "uma verdadeira" reforma do sistema fiscal em Portugal, com o propósito de haver mais equidade, e sem serem "[meros ajustamentos fiscais", Manuela Ferreira Leite lembrou que se falou apenas da tributação do rendimento e não da despesa.

 

"A tributação da despesa não cria iniquidades como à primeira vista se pensou. Aumentou a receita e teve um efeito de redistribuição sobre a actividade económica", afirmou.

 

"Não existe ainda a ideia de uma progressividade negativa sobre os impostos indirectos em Portugal e estamos a minimizar o problema da política fiscal", defendeu a economista.




A sua opinião13
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
comentar
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
mais votado Anónimo 24.05.2017

isso não é nenhuma novidade, dra ferreira leite!

comentários mais recentes
Anónimo 04.10.2017

Uma oportunidade de financiamento para os que têm projetos ou outras necessidades de financiamento pessoais, pode agora obter um empréstimo para resolver as vossas dificuldades financeiras sem constrangimento. Contactar o responsável para mais informações.

Contato:?? hutihutitapeta6@gmail.com

AAAA 25.05.2017

Ó SRA. FERREIRA LEITE, PORQUE É QUE NUNCA A OUVI FALAR QUANDO O GOVERNO PSD/CDS DIMINIUI O NÚMERO DE ESCALÕES INTRODUZINDO MAIOR INJUSTIÇA FISCAL? OU QUANDO AUMENTOU O IVA PARA 23%?

AAAA 25.05.2017

GRANDE NOVIDADE! SÓ AGORA É QUE DESCOBRIU? EU DIGO ISSO HÁ DÉCADAS E MUITOS MAIS. SÓ QUE NÃO TENHO A VOZ PÚBLICA QUE ESTA SENHORA TEM. DEVIA TÊ-LO DITO HÁ MUITO MAIS TEMPO.

Anónimo 25.05.2017

Não se entendem as causas da crise e a necessária transformação evolutiva da economia sem perceber isto: "We will gradually enter a time where having a lifetime employment based on tasks that are not justified will be less and less sustainable - we're actually already there." - Emmanuel Macron www.msn.com/en-gb/video/other/french-civil-servants-no-more-jobs-for-life/vi-AAeGlDD

ver mais comentários