Europa Festa, cravos, votos, confrontos e feridos: Houve de tudo na Catalunha

Festa, cravos, votos, confrontos e feridos: Houve de tudo na Catalunha

O dia do referendo independentista catalão começou em festa, as ruas cheias e pessoas a distribuir cravos numa alusão à revolução pacífica portuguesa de 1974. Mas ainda de manhã o ambiente degradou-se com o registo de confrontos. Há já centenas de feridos.
Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters Reuters
David Santiago 01 de outubro de 2017 às 17:20

Foi curto o pavio do clima de festa que se viveu ao início da manhã na Catalunha. Rapidamente o ambiente festivo proporcionado pelos milhares de catalães que desceram às ruas para votar no referendo independentista agendado para este domingo, 1 de Outubro (1-O), deu lugar a confrontos que resultaram em pelo menos 460 feridos, alguns muito graves, segundo informou a meio desta tarde a presidente da câmara de Barcelona, Ada Colau.

 

Antes ainda das 09:00, a hora em que abriram as urnas (fecham às 20:00 locais, mais uma hora do que em Lisboa), havia, segundo a imprensa internacional, filas enormes de pessoas que se juntaram à porta das assembleias de voto para impedir que as mesmas fossem encerradas pelas forças de segurança nacionais (Guardia Civil e Polícia Nacional). Até às 18:00 tinham sito feitas quatro detenções por crimes de resistência, desobediência e acções contra as forças de autoridade, segundo refere o El Mundo.

Estas receberam ordens no sentido de impedirem a realização de uma consulta popular considerada "ilegal" pelas autoridades políticas e judiciárias espanholas.

 

Apesar de os Mossos d’Esquadra (polícia catalã) terem revelado que até à hora de almoço tinham procedido ao encerramento de 183 assembleias de voto, o Ministério do Interior de Espanha adiantou que até às 15:00 locais tinham sido encerrados somente 92 pontos de voto. Por seu lado, ao início da tarde a Generalitat garantia que 73% dos locais de voto previstos estavam em pleno funcionamento.

 

Para contornar esta questão, uma hora antes da abertura das urnas a Generalitat aprovou uma medida que permite aos eleitores catalães votarem em qualquer assembleia de voto e não apenas na correspondente à sua morada. É também permitida a utilização de boletins de voto impressos em casa, isto porque nos últimos dias foram apreendidos largos milhares.

 

O presidente do governo autonómico da Catalunha, Carles Puigdemont, foi um dos eleitores que votou numa assembleia de voto que não a sua. O líder da Generalitat, que está sob ameaça de prisão por desobediência devido a ter promovido o referendo de 1-O apesar de ordem judicial contrária, votou em Cornellà de Terri já que o colégio eleitoral de Sant Julià de Ramis foi encerrado pela Guardia Civil.

 

Considerando que as ordens dadas aos Mossos d’Esquadra com vista ao encerramento de colégios eleitorais não estavam a ser devidamente cumpridas, a Guardia Civil e a Polícia Nacional, que acusam a política catalã de "passividade", começaram a actuar ainda de manhã. Entraram em várias assembleias de voto e tentaram desmobilizar as pessoas que ali se encontravam.


 

O ambiente inicial festivo, em que vários independentistas empunhavam e distribuiam cravos para, aludindo à revolução portuguesa de 25 de Abril de 1974, passar uma imagem de acção política pacífica e favorável à democracia, degenerou. Das palavras de ordem aos confrontos foi um passo. Madrid reagiu dizendo que a insistência da Generalitat em contrariar a lei obrigou o governo liderado por Mariano Rajoy a "fazer o que não queria".

 


"A absoluta irresponsabilidade da Generalitat teve de ser substituída pelo profissionalismo das forças de segurança", declarou a número dois do executivo de Rajoy, Soraya Sáenz de Santamaría, que assegura que as forças de segurança tinham como objectivo da sua actuação o "material eleitoral e não as pessoas".

 

Do lado da Generalitat responsabiliza-se o governo espanhol pela "violência injustificada". "O recurso injustificado e irresponsável de violência pelo Estado espanhol é evidente", disse Puigdemont que considera que "hoje o Estado espanhol perdeu muito mais do que até agora". Na mesma linha, Artur Mas, nacionalista e ex-presidente da Generalitat, afiança que "hoje o Estado espanhol acabou de perder a Catalunha".

 

Mais longe foi Ada Colau que exige a demissão de Rajoy. Pelo seu lado, o PSOE apela ao fim da acção policial contra a população catalã, recordando que quaisquer que sejam os resultados da consulta popular de hoje, o referendo "não é vinculativo". Como tal, os socialistas espanhóis, defensores de uma alteração constitucional tendente à federalização espanhola, pedem que se retome o diálogo entre a Generalitat e o governo central. 

 


A não actuação conforme as ordens por parte da polícia catalã já fez com que chegassem queixas de "desobediência" ao Ministério Público. O Tribunal Superior de Justiça da Catalunha (TSJC) tinha ordenado aos Mossos d’Esquadra para impedirem a realização do referendo. O El Mundo escreve mesmo que um juiz espanhol já procedeu à abertura de um processo contra a polícia catalã pelo crime de desobediência.

 

Há também registos de confrontos verbais entre elementos da polícia catalã e das forças centrais, já que os primeiros se recusaram a recorrer à força para desmobilizar pessoas e proceder ao encerramento de assembleias de voto.

 




A sua opinião10
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
weaine Há 2 semanas

Contact Kayzed Consultants


Kayzed Helps the organization in getting ISO Certification and other significance done smoothly and cost effectively. Just fill the simple form and get in touch with us for any kind of services as ISO consultancy training, certification against various standards li

Pierre Ghost Há 2 semanas

E o barça !!! Tao hipocrita !!!
Se é independentista que saia da liga Espanhola !!!!!!

Pierre Ghost Há 2 semanas

Porrada nestes catalaes energumenos !!!!
Sao tao egoistas que para irem buscar 10.000M vao destruir todo um país !!!

Criador de Touros Há 2 semanas

Os jogos olímpicos de barcelona foram um erro grave de Madrid. Quem pagou a despesa foi Madrid, quem lucrou foi barcelona.Os espanhóis não podem permitir outro idioma nas escolas primárias e secundárias além do espanhol/castelhano.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub