Finanças Públicas Festas privadas nos Jerónimos investigadas pelo Ministério Público

Festas privadas nos Jerónimos investigadas pelo Ministério Público

Empresas com eventos no Mosteiro doaram mais a uma associação, da qual a directora dos Jerónimos é vice-presidente, do que pagaram ao Estado.
Festas privadas nos Jerónimos investigadas pelo Ministério Público
Mariline Alves
Negócios 06 de junho de 2017 às 08:28

Constituída como "associação sem fins lucrativos", a "Troca Descobertas" explorou durante anos alguns espaços do Mosteiro dos Jerónimos, cobrando pelos seus serviços, sem que a Direcção-Geral do Património Cultural (DGCP) recebesse qualquer verba.

A situação foi identificada numa auditoria da DGCP à gestão da directora Isabel Almeida e, segundo avança esta terça-feira, 6 de Junho, o Diário de Notícias, está a ser investigada pelo Ministério Público.

Em causa estão, por exemplo, serviços destinados a alunos do ensino pré-escolar e do básico, com ateliês que custavam 2,5 euros por aluno, visitas guiadas ou festas de aniversário ao fim-se-semana. Algumas das pessoas que integravam a Troca Descobertas usavam o e-mail oficial dos Jerónimos sendo que, de acordo com o mesmo jornal, não existia nenhum protocolo entre a DGCP e a dita associação sem fins lucrativos que justificasse o apoio.


Ainda de acordo com o  diário, algumas empresas acabaram por pagar mais à World Monuments Fund (WMF), uma organização internacional sem fins lucrativos, do que à DGCP. A directora dos Mosteiro dos Jerónimos, Isabel Almeida, é vice-presidente da WMF, que se dedica à recuperação de edifícios históricos.

Entidades como a Compagnie Financière Richemont, a Team Quatro e o Automóvel Clube de Portugal realizaram nos últimos anos eventos nos Jerónimos. A primeira fez um donativo de 150 mil euros à WFM e a as seguintes doaram 50 mil euros, valores acima dos preços tabelados.

Isabel Cruz Almeida, que não respondeu às questões do jornal, terminou a sua comissão de serviço em Janeiro deste ano.

Foi durante a sua comissão de serviço que o Tribunal de Contas detectou irregularidades na venda de bilhetes, detectando desvios de 152 mil euros que levaram ao despedimento de 11 funcionários. Oito conseguiram reintegração noutras funções através de uma providência cautelar, devido a falhas no inquérito interno.




A sua opinião9
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

O normal em Portugal. O funcionário público apropria-se da coisa pública, seja o posto de trabalho em si, o que com a ajuda dos sindicatos e da lei laboral em vigor o torna blindado a alterações de procura e oferta de mercado ditadas pelos gostos, hábitos, preferências, necessidades e expectativas da população e das instituições, incluindo aquelas que se dão como resultado do constante avanço tecnológico, sejam os activos fixos tangíveis e intangíveis. É uma mentalidade que não só não é criadora de valor como é assumidamente extactora de valor e inerentemente anti-mercado.

comentários mais recentes
Mr.Tuga Há 2 semanas

Brrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrr.....
"Mistério Publico" a investigar ?!?!?!?!?!!?!?!?!?
Tenham medo! Tenham muito medo! Pois estão tramados!

Quer dizer o caso sera anulado por erro processual ou vai prescrever....

Rui Há 2 semanas

Em Portugal a coisa pública está a saque. Cada um rouba como pode e onde pode. No fim, são todos absolvidos devido a falhas no inquérito interno. Quem quiser um País melhor do que isto terá que emigrar.

Anónimo Há 2 semanas

Café? Gosto. Com natas.

policia e gnr velhinhos 60 anos reformados S/corte Há 2 semanas

aninimo mais votado

o que é que queres dizer com essa lenga -lenga, ou seja, dialetica de café?

tens de trabalhar ate aos 66 anos e 4 meses

nos somos especiais de corrida GT e todos brancos

VIVA LEI DE APOSENTAÇÃO DOS FASCISMO

ver mais comentários
pub