Cultura Filme de Terry Gilliam vai beneficiar de novo incentivo fiscal português

Filme de Terry Gilliam vai beneficiar de novo incentivo fiscal português

O filme "O homem que matou Dom Quixote", que o realizador norte-americano Terry Gilliam - está a rodar em Portugal, vai beneficiar do novo sistema de incentivos fiscais criado pelo Governo português para atrair produções cinematográficas estrangeiras.
Filme de Terry Gilliam vai beneficiar de novo incentivo fiscal português
DR
Negócios com Lusa 10 de maio de 2017 às 14:22
Terry Gilliam foi um dos membros do grupo humorístico de origem britânica Monty Python, que protagonizou uma série de televisão e vários filmes.

Pandora da Cunha Telles, co-produtora, explicou à agência Lusa que "O homem que matou Dom Quixote", com parte da rodagem a decorrer em Portugal, "será o primeiro a beneficiar do novo sistema incentivos fiscais ao cinema".

Com este incentivo fiscal, o Governo prevê que produtoras estrangeiras tenham um crédito, se quiserem trabalhar em Portugal. Esse crédito fiscal traduz-se numa dedução à colecta do IRC, que é apurada sobre as despesas da produção cinematográfica, igual ou superior a um milhão de euros.

O programa abrange "obras cinematográficas de iniciativa estrangeira realizadas com produtores nacionais ou com produtor executivo nacional, obras em co-produção internacional e também obras de produção nacional", lê-se no decreto-lei.

O "tecto máximo de crédito fiscal a atribuir anualmente" é de sete milhões de euros em 2017, dez milhões de euros em 2018 e de 12 milhões de euros a partir de 2019.

Por causa deste incentivo fiscal, foi criado um portal - www.picportugal.com - com informações sobre Portugal, precisamente para captar a rodagem de mais produções cinematográficas estrangeiras.

Na página são elencados atributos, elogios e dados estatísticos sobre o país, nomeadamente sobre tipos de paisagem, monumentos, edifícios emblemáticos e históricos, assim como informações sobre legislação, produtoras e outras entidades portuguesas.

Quem fizer pesquisas em PicPortugal poderá encontrar um resumo sobre o clima ameno, sobre a diversidade de paisagens - dos 800 quilómetros de costa até às aldeias históricas do interior passando pelos parques naturais -, sobre castelos, palácios e arte urbana.

Estão ainda elencadas algumas das "film commission" (comissões de cinema) existentes no país, estruturas que já promovem regiões para a rodagem de produções de cinema, televisão ou publicidade.

Há ainda uma lista de vários filmes estrangeiros que tiveram Portugal como cenário ou contaram com elenco e técnicos portugueses, como "Belle Époque" (1992), de Fernando Trueba, "A rainha Margot" (1994), de Patrice Chereau, "A nona porta" (1999), de Roman Polanski, e "A fidelidade" (2000), de Andrzej Zulawski.

De acordo com dados do ICA, o sector do cinema, audiovisual e multimédia em Portugal representava, em 2012, cerca de 6.800 trabalhadores, 811 empresas e um volume de 949 milhões de euros em vendas, dos quais apenas 73 milhões de euros eram para exportação.



A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 10.05.2017

Não são os médicos e enfermeiros que ganham pouco...

Os professores universitários, juízes e magistrados é que ganham demais.

Toca a cortar os salários e privilégios desta malta toda... para se poder baixar o IRS.

comentários mais recentes
Anónimo 10.05.2017

Não são os médicos e enfermeiros que ganham pouco...

Os professores universitários, juízes e magistrados é que ganham demais.

Toca a cortar os salários e privilégios desta malta toda... para se poder baixar o IRS.

pub