Segurança Social Fim dos cortes nas pensões para carreiras muito longas em vigor em Outubro

Fim dos cortes nas pensões para carreiras muito longas em vigor em Outubro

A legislação que prevê o fim dos cortes nas pensões antecipadas de quem tem, por exemplo, 48 anos de carreiras contributivas, ou 46 anos tendo começado a trabalhar aos 15 anos, vai entrar em vigor em Setembro ou Outubro, anunciou o Governo.
Fim dos cortes nas pensões para carreiras muito longas em vigor em Outubro

Os trabalhadores que tenham mais de 60 anos de idade e 48 anos de carreira contributiva poderão reformar-se sem qualquer penalização a partir de Setembro ou Outubro. O mesmo acontecerá a quem tenha 46 anos de carreira contributiva e mais de 40 anos de idade, desde que tenha começado a descontar para a Segurança Social antes dos 15 anos de idade.

 

É essa a data prevista pelo Governo para a entrada em vigor da primeira fase da nova legislação sobre pensões antecipadas, que abrangerá estes dois grupos, segundo anunciou esta terça-feira à saída de uma reunião de concertação social Vieira da Silva.

"Será aprovada legislação no sentido de isentar de qualquer penalização todas as pessoas que iniciaram a sua actividade ainda em criança e que tenham 46 anos de carreira, ou todos os que já tenham atingido os 48 anos de carreira contributiva. Têm de ter 60 anos de idade, naturalmente, porque essa é uma condição de base para a antecipação da idade da reforma", disse.


O ministro da Segurança Social estima que a alteração abranja cerca de 15 mil pensionistas e que tenha um custo anual de 49 milhões de euros.

 

Nos documentos que estiveram em discussão é explicado que, quem tenha carreiras contributivas muito longas (com as características acima descritas) poderá reformar-se sem qualquer penalização desde que tenha entre 60 anos e 63 anos e 3 meses. Se for mais velho, terá uma bonificação que segundo explicou o ministro será de 1% por cada mês além dos 63 anos e 3 meses.

 

O Governo tinha ainda anunciado um desagravamento generalizado das penalizações para quem se reforme antecipadamente, nomeadamente através da progressiva eliminação do factor de sustentabilidade, conjugado com outras regras que vão restringir o acesso à pensão antecipada. Contudo, esta segunda e terceira fase da alteração às regras ainda será discutida em Setembro, não tendo data certa para avançar. Vieira da Silva admitiu, contudo, que uma parte desta segunda fase da reforma possa entrar em vigor em Janeiro.

"Continuaremos esse debate em concertação social", disse o ministro. "Aquilo que queremos é ir de encontro às preocupações dos parceiros sociais e das forças políticas que estão empenhadas neste processo sem que isso ponha em causa os equilíbrios da Segurança Social. É um trabalho um pouco mais demorado do que nós pensávamos", disse.

"Mas o que interessa é que conseguimos desde já, creio que de forma consensual, corrigir uma injustiça, talvez a mais forte de todas, que é a que tem a ver com as longas carreiras contributivas", concluiu.

Notícia corrigida às 11:50 de dia 30 de Junho na sequência do alerta de um leitor: no caso de quem tem 46 anos de descontos é necessário que tenha começado a descontar antes dos 15 anos, de acordo com a proposta do Governo, e não "aos" 15 anos, como por erro se indicou na primeira versão da notícia.

 




A sua opinião16
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
JCG Há 3 semanas

O Governo e este ministro perderam a oportunidade de aperfeiçoar a lei existente tornado-a mais clara, mais justa e sustentável, mas não. Estes tipos têm uma clara propensão para complicar em vez de descomplicar. Na verdade os tipos vive, disso.

Bastava uma pequena alínea na lei. Algo do género: xx) a idade normal ou legal em vigor para a passagem à situação de reforma por velhice (que actualmente está nos 66 anos e 3 meses) será antecipada ou reduzida em 1 mês por cada 3 meses de descontos ou contribuições que o trabalhador tenha acumulado para além dos 40 anos.

Há que não esquecer o critério mais ou menos universal de que são precisos 3 anos de contribuições para financiar 1 ano de pensões.

Isto é claro mesmo para um analfabeto? Exemplo: para antecipar em 3 anos a idade legal da reforma (para os 63 anos e 3 meses) o trabalhador teria de ter acumulado 49 anos de descontos. Esta regra apenas tornaria a idade legal da reforma variável., baixando no caso de longas carreiras.

Anónimo Há 3 semanas

Agradeço uma ajuda. pedi a reforma em 2016 com 63 anos e 50 de desconto fui penalizado no factor de sustentabilidade quando acaba esta aberração.

Anónimo Há 3 semanas

Comparada com a benesse do Cavaco Silva de reformar os amigos que nunca tinham descontado e nos últimos 5 anos descontaram que nem loucos antes de se reformarem. Vão ver quem são e como podem ter descontado tão pouco para as reformas principescas... isso a direitalha não fala...

Anónimo Há 3 semanas

Acho piada a quem se reformou com as leis antigas e agora queriam os mesmos benefícios de que aqueles que esperaram pelas atuais para não serem penalizados, por essa ordem de ideias também tinham que receber os retroativos dos anos que continuaram a trabalhar sem se reformar.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub