Finanças Públicas Finanças autorizam limpezas na PGR e na Judiciária

Finanças autorizam limpezas na PGR e na Judiciária

Uma portaria conjunta autoriza as duas entidades a realizar uma despesa global de 1,4 milhões de euros com os contratos de fornecimento de serviços de higiene e de limpeza nos anos de 2018 e 2019.
Finanças autorizam limpezas na PGR e na Judiciária
Bruno Simão/Negócios
António Larguesa 24 de janeiro de 2018 às 11:42

O Governo deu autorização à Procuradoria-Geral da República (PGR) e à Polícia Judiciária (PJ) para "assumir os encargos orçamentais" decorrentes dos contratos para o fornecimento de serviços de higiene e limpeza nas suas instalações para os anos de 2018 e 2019, num total global estimado de quase 1,4 milhões de euros.

 

A contratação centralizada destes serviços por parte da Unidade Ministerial de Compras do Ministério da Justiça está prevista numa portaria conjunta dos Ministérios das Finanças e da Justiça, publicada em Diário da República esta quarta-feira, 24 de Janeiro. O valor de referência para o contrato é acrescido de IVA.

 

A repartição dos encargos financeiros por entidade, que serão "satisfeitos por conta das verbas a inscrever nos orçamentos" respectivos nos anos indicados, mostra ainda que cabe à Judiciária suportar 77% do valor anual de cada contrato, fixado em 688 mil euros. A restante verba fica a cargo da Procuradoria-Geral da República, actualmente liderada por Joana Marques Vidal, cuja renovação de mandato foi alvo de polémica recente.

 

A aprovação prévia destas despesas por parte dos Ministérios tutelados por Mário Centeno e Francisca Van Dunem, segundo detalha o mesmo diploma, resulta do facto de este ser um procedimento de contratação que dará lugar a encargos orçamentais em mais do que um ano económico – tal como aconteceria, aliás, se a despesa resvalasse para além do ano de execução do serviço.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Fpublico condenado a 48 anos trabalho/descontos Há 3 semanas

1,4 MILHÕES ? FOXA-SE
POR ISSO UM GAJO É CONDENADO A QUASE 50 ANOS DE DESCONTOS E TRABALHO

pub