Impostos Finanças contrariam Fisco e ilibam funcionários que consultaram dados fiscais

Finanças contrariam Fisco e ilibam funcionários que consultaram dados fiscais

Autoridade Tributária tinha sancionado dois funcionários por consulta injustificada de dados fiscais do universo familiar de Sócrates.O Governo ilibou-os porque consultas aconteceram antes das novas regras e quer trabalhadores “permanentemente vigilantes”.
Finanças contrariam Fisco e ilibam funcionários que consultaram dados fiscais
Bruno Simão
Negócios 22 de agosto de 2017 às 09:03
O ministério das Finanças decidiu a favor de dois trabalhadores no recurso que tinham apresentado face à sanção que lhes foi imposta pela Autoridade Tributária por consulta injustificada de dados fiscais, avança o Público.

A decisão, ainda tomada por Rocha Andrade, o anterior secretário do Estado do Fisco, é justificada por três razões: por um lado, as consultas ocorreram antes da entrada em vigor das novas regras que obrigam à justificação do acesso a dados dos contribuintes; por outro, não houve quebra de sigilo fiscal; e, finalmente, o governante sublinha que o governo quer que todos os trabalhadores estejam "permanentemente vigilantes" sobre eventuais situações ilícitas, desde que garantam o sigilo e a capacidade de comprovar a qualquer momento a legitimidade dos acessos.

O debate sobre a legitimidade da consulta de dados fiscais dos contribuintes surgiu com a polémica em torno da "lista VIP", um sistema que alertava sobre quem dentro do Fisco consultava os dados fiscais de Pedro passos Coelho, Paulo Portas, Paulo Núncio e Cavaco Silva, instituíram-se novas regras. Após ser conhecido, o sistema foi descontinuado, por privilegiar este número muito restrito de contribuintes politicamente expostos, e substituído por uma regra geral que estabelece que sempre que um funcionário acede a informação de contribuinte deve justificar o acesso.

Esta regra não caiu bem junto do Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos que defende que se criou um clima de autocensura prejudicial à avaliação dos sinais exteriores de riqueza.

Segundo o jornal, as decisões nestes recursos servem ao governo para, não mudando a Lei, afirmar ao mesmo tempo que não há razões para os trabalhadores de coíbam de consultar informação que considerem necessária, desde que possam sempre justificar as razões que os levaram a fazer isso. No caso em questão estaria em causa a consulta de informações do universo familiar de José Sócrates.



A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Atento 22.08.2017

Se o governo quercombater a evasão fiscal tem que acabar com essa treta de listas VIP.Numa democracia todos os cidadãos são iguais perante a lei.Logo qualquer cidadão, SEJA ELE QUEM FOR,estará sujeito a uma qualquer fiscalização de um qualquer serviço do Estado. Os tipos do fisco devem aceder a tudo

pertinaz 22.08.2017

BANDALHEIRA DO COSTUME...!!!

XXL 22.08.2017

Se estes actuaram com a concordancia dos sindicatos e politicos porque haveriam de ser castigados...

pub