Finanças Públicas Finanças: défice melhora 2,3 mil milhões até Setembro

Finanças: défice melhora 2,3 mil milhões até Setembro

Segundo o Ministério das Finanças, o défice orçamental até Setembro fixou-se em 569 milhões de euros, o que representa uma melhoria de 2,29 mil milhões face ao mesmo período de 2016. O Governo argumenta que este resultado permite acomodar factores que deverão penalizar o saldo orçamental no final do ano.
Finanças: défice melhora 2,3 mil milhões até Setembro
Miguel Baltazar/Negócios
Nuno Aguiar 26 de outubro de 2017 às 16:40
Os dados completos apenas serão conhecidos mais tarde, com a divulgação da síntese de execução orçamental, pela Direcção-Geral do Orçamento (DGO), mas o comunicado das Finanças aponta para a continuação de uma trajectória de melhoria das contas públicas, com uma melhoria de 2,3 mil milhões de euros do défice orçamental quando se compara o valor observado em Setembro deste ano e do ano passado. Segundo o ministério liderado por Mário Centeno, a três meses do final do ano, o saldo das Administrações Públicas estava em -569 milhões de euros. 

Este resultado é importante, uma vez que se prevê que o último trimestre seja menos simpático para o equilíbrio das contas do Estado. As Finanças sublinham que um conjunto de factores provocará um agravamento do défice em 1.500 milhões de euros. Um bom resultado em Setembro permitirá, segundo o Executivo, cumprir a meta de défice em Dezembro.

"A continuada evolução favorável do défice reforça a confiança nos objectivos orçamentais estabelecidos para 2017 e permitirá acomodar o elevado impacto de factores que vão traduzir-se num abrandamento do ritmo de redução do défice no quarto trimestre", poder ler-se no comunicado enviado às redacções. Entre esses factores penalizadores das contas está: o pagamento de 50% do subsídio de Natal em Novembro, o acerto de margens financeiras da União Europeia e a componente temporária do PERES (programa de perdão fiscal). Tudo somado, estes desenvolvimentos representam uma pressão adicional sobre as contas de 1.500 milhões de euros. 

Do lado da receita, o Governo destaca o desempenho positivo da receita de IVA (crescimento de 7,1%) e de IRC (21,8%), assim como das contribuições sociais (6,3%). 

Já do lado dos gastos, as Finanças notam que a despesa primária cai 0,3% devido ao perfil de pagamento dos subsídios de Natal de funcionários públicos e pensionistas. Por outro lado, os gastos com o Serviço Nacional de Saúde (SNS) estão a avançar 4,4% acima daquilo que estava orçamentado, enquanto o investimento público, se for expurgado dos gastos com PPP, está a crescer quase 30% (um valor elevado, mas que está ainda abaixo do previso no orçamento).

(Notícia actualizada às 18:53 com mais informação)



A sua opinião18
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
eas Há 3 semanas

O Sr. General C leu e bem. O PM Costa disse que a dívida levaria um corte de 6.000 M pelo pagamento de de uma linha de obrigações sem recurso à substituíção. Aguardemos!
Quanto aos "míseros" 1.000M (não por extenso para ser de fácil comparação) referem-se a amortização antecipada ao FMI.
Aguardemos!
... creio que não vale a pena, por enquanto, entrarmos numa qlq espécie de histeria, não acha? Bem ... se aqueles 2 pontos acontecerem (aguardemos e criticaremos no fim) a referida "espécie", eventualmente em distraídos pode dar algum pouco sossego ... ou não!

General Ciresp Há 3 semanas

Porque nao acontece nada a este canonicos quando induzem os portugueses em erro.Se nao estou em erro li algures que a gerigonca ia este mes devolver 6.000.000.000 de euros para reduzir a divida COLOSSAL,ontem foi noticia que vao ser so uns miseros mil milhoes de euros(dizem)quero ver como S.Tome.

Anónimo Há 3 semanas

Epá só vejo pessoal burro de direita a comentar. Uma cativação não é um corte, vão á internet procurar já agora. E a culpa dos mortos dos incendios não é deste governo nem do anterior, é da politica agricola e de ordenamento de territorio que está mal desde á 40 anos para cá.

Será que ? Há 3 semanas

Será que Costa comunicou ao Marcelo estes números ? Espero bem que não, já que ele deturpa tudo. A idade não perdoa e a partir de certa idade a senilidade está "logo ali". Uma coisa é certa...Os laranjinhas estão com dor de c.... de cotovelo ! Mas ainda vai melhorar mais ! Costa é excelente !!!

ver mais comentários
pub