Finanças Públicas Finanças estranham algumas previsões de Outono de Bruxelas

Finanças estranham algumas previsões de Outono de Bruxelas

O Ministério das Finanças diz estranhar parte das previsões económicas de Outono da Comissão Europeia, divulgadas esta quarta-feira, 9 de Novembro. E afirma que fica por esclarecer a metodologia usada por Bruxelas para o défice.
Finanças estranham algumas previsões de Outono de Bruxelas
Mário Centeno
Negócios 09 de Novembro de 2016 às 19:17

A Comissão Europeia sublinha, nas suas previsões económicas de Outono, que a economia portuguesa crescerá em 2016, 2017 e 2018, mas aponta números menos optimistas do que os do Governo.


Em reacção, o Ministério tutelado por Mário Centeno chama a atenção para estas estimativas de crescimento da economia e para o facto de Bruxelas confirmar ainda que Portugal deverá sair do Procedimento por Défices Excessivos em 2016.


Contudo, diz, em comunicado, não perceber como chegou Bruxelas a alguns números mais pessismistas. "O Ministério das Finanças acolhe no entanto com estranheza parte das referidas previsões".


E dá exemplos: "Fica por esclarecer a metodologia usada pela Comissão para que a previsão para o défice de 2016 se situe em 2,7% do PIB. Esta previsão é idêntica há seis meses, embora os dados sobre a execução orçamental, que são públicos e escrutináveis, apontem para que se atinja um défice na ordem dos 2,4% do PIB em 2016 – o mais baixo dos últimos 40 anos", salienta.


"A Comissão também dá conta do excelente comportamento do turismo em 2016. Contudo, afirma que as exportações têm crescido de forma tímida, o que não corresponde aos últimos dados disponíveis", refere, por outro lado, o documento das Finanças. "Num ambiente externo adverso, as empresas portuguesas têm comprovado a sua competitividade e conseguido aumentar a sua quota de mercado em destinos maduros: em Setembro de 2016, em termos homólogos, as exportações intra União Europeia aumentaram 7,9%".


Além disso, acrescenta, "os índices de confiança, medidos pelo INE, têm melhorado consistentemente ao longo do ano, bem como os mais recentes indicadores de actividade económica (por exemplo, o indicador coincidente do Banco de Portugal e o indicador avançado da OCDE)".


O Ministério de Centeno destaca ainda, com agrado, o facto de a Comissão Europeia reconhecer "a notável melhoria do mercado de trabalho em Portugal, com uma redução abrupta do desemprego". "Os mais recentes dados do INE confirmam isso mesmo, com a redução da taxa de desemprego para 10,5% no terceiro trimestre", acrescenta o comunicado das Finanças.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Cláudio Márcio Araújo da Gama Há 1 semana

O QUADRO MACROECONÔMICO PARA A ADMINISTRAÇÃO DAS FINANÇAS PÚBLICAS

Mais em:

http://www.administradores.com.br/producao-academica/o-quadro-macroeconomico-para-a-administracao-das-financas-publicas/6815/

Anónimo Há 3 semanas

estranho é um individuo que prometia um crescimento economico de 2.2% , a realidade ser menos de metade disso e o vigarista incompetente continuar no cargo. Isso é que se estranha.

Anónimo Há 3 semanas

Desgracado do pobre mimico:pedir e uma coisa,prova-lo e outra.Diz uma coisa dentro(reducao dos juros sobre a divida)E diz outra fora;(esta fora de questao a renegociacao da divida).Que vale um tipo assim,em que circunstancia pode-se levar a serio um tipo assim?

pub
pub
pub
pub