Economia Finanças: Eurostat deve “reconhecer carácter único” da recapitalização da Caixa

Finanças: Eurostat deve “reconhecer carácter único” da recapitalização da Caixa

O Ministério das Finanças espera pela conclusão do diálogo entre Eurostat e INE sobre a recapitalização da CGD, mas lembra “carácter único” da operação no plano europeu, o que deveria garantir uma operação sem efeitos no défice.
A carregar o vídeo ...
Rui Peres Jorge 19 de setembro de 2017 às 13:38

O Governo espera que a decisão europeia sobre a forma de registo da recapitalização da CGD no défice público leve em conta o "carácter único" da operação no plano europeu, e o facto de o banco já dar sinais de recuperação, o que sustenta a previsão de regresso a lucros anuais em 2018 prevista no plano de reestruturação aprovado pela Comissão Europeia. Esta é a reacção do Ministério das Finanças à notícia avançada pelo Negócios de que o Eurostat deverá impor o registo da operação no défice orçamental de 2017, contrariando os argumentos do INE e a vontade do Governo português.

 

"Esta injecção de capital foi uma operação financeira, com o objectivo de tornar a CGD numa instituição rentável. A Comissão Europeia, em Março, validou a operação de capitalização nestes termos, corroborando estes princípios de valorização da CGD", explica o Ministério das Finanças por escrito, acrescentado que "o Governo realizou uma injecção de capital na CGD, fora do quadro das Ajudas de Estado" e que "este aumento de capital teve ainda como objectivo responder às exigências regulatórias do novo contexto de supervisão europeu", permitindo que "o rácio de capital da CGD passasse de 8% em 2013 para 12% em 2017".

 

O Ministério das Finanças nota que o diálogo entre o Eurostat e o INE sobre este tema continua e diz que "como é natural, o registo estatístico  deve ser fiel às decisões já tomadas pela Comissão Europeia e implementadas pelo Governo português". Acrescenta também que o diálogo "deve guiar-se por princípios de transparência, reconhecendo o carácter único da decisão da Comissão Europeia e o sucesso já observado pela CGD desde o início da capitalização".




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado JCG 19.09.2017

É claro que você convenceu-se de que esse seu ar de calimero dava a volta aos seus colegas no fórum europeu - o tipo até lhe chamou o Ronaldo, não foi? - mas os tipos estão-se lixando para calimerices. Até abominam. E muito mais ousadias de uns calimeros lusitanos que logo que deixados sem controlo começam a armar aos cucos e a virarem-se é para as sardinhas e o vinho tinto.

comentários mais recentes
Não conta?Vai p/debaixo do tapete? 19.09.2017

A geringonça não brinca em serviço

Anónimo 19.09.2017

Se a recapitalização da CGD contar para o défice soará como a vingança de Jeroen Dijsselbloem, é claro que P. Coelho e Assunção Cristas rejubilarão se essa patifaria acontecer, sinceramente oxalá que não aconteça porque seria muito mau não só para o nosso País mas também para a própria C.E.

JCG 19.09.2017

É claro que você convenceu-se de que esse seu ar de calimero dava a volta aos seus colegas no fórum europeu - o tipo até lhe chamou o Ronaldo, não foi? - mas os tipos estão-se lixando para calimerices. Até abominam. E muito mais ousadias de uns calimeros lusitanos que logo que deixados sem controlo começam a armar aos cucos e a virarem-se é para as sardinhas e o vinho tinto.

JCG 19.09.2017

Afinal de contas, tantas certezas, tantas garantias, tantas promessas dos patrões de Bruxelas e arredores de que iam ter uma atençãozinha para o colega engraçada com ar de Groucho Marx e afinal a coisa acaba mesmo no défice.

O Centeno, você que é Algarvio e que já atravessou muitas vezes o Alentejo - ou fez a viagem de barco ou avião? - nunca ouviu dizer aos alentejanos que "quanto mais uma pessoa se baixa mais o cu lhe aparece"?

Saber mais e Alertas
pub