IRS Finanças lançam ‘app’ para entregar o IRS
IRS

Finanças lançam ‘app’ para entregar o IRS

Os contribuintes que tenham IRS automático podem a partir de agora fazer a entrega da declaração através de uma nova aplicação nos telemóveis. Os demais contribuintes poderão usar a app para ir vendo o estado da sua declaração de IRS.
Finanças lançam ‘app’ para entregar o IRS
Filomena Lança 09 de maio de 2017 às 10:14

O Ministério das Finanças anunciou esta terça-feira, 9 de Maio, o lançamento de uma nova aplicação para telemóvel a partir da qual é possível aos contribuintes que tenham IRS automático proceder à respectiva entrega. Para os restantes contribuintes, que não estejam abrangidos pelo regime do IRS automático, e não têm  acesso a uma declaração automática de impostos, a aplicação pode servir para irem consultando o estado da sua declaração depois de a mesma ter sido entregue, percebendo quando chegará o momento do reembolso ou se terem de pagar a factura a que haja lugar.

 

"A disponibilização desta nova ‘app’ é mais um passo no sentido da modernização das formas de interacção com os contribuintes, através do desenvolvimento de aplicações móveis que tornem mais fácil, cómodo e intuitivo o cumprimento das obrigações fiscais", sublinha a Autoridade Tributária numa nota de imprensa enviada às redacções.

 

A aplicação é gratuita e compatível com os sistemas Android e IOS e está disponível no Itunes e na Play Store da Google.

 

Recorde-se que este ano apenas têm direito a declarações automáticas de IRS os contribuintes que no ano passado tenha auferido apenas rendimentos das categorias A e H, trabalho dependente e pensões, que não tenham dependentes a cargo nem rendimentos provenientes do estrangeiro e, ainda, que não tenham benefícios fiscais. Ao todo serão cerca de abrangidos cerca de 1,8 milhões de agregados, pelas contas das Finanças.

O programa Simplex 2016 previa a criação de uma aplicação móvel com avisos de pagamentos de impostos. Numa segunda fase a ideia seria a integração com o sistema de pagamentos da SIBS para que o próprio pagamento possa ser efetuado através da app no telemóvel ou tablet.


A sua opinião6
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

As grandes empresas com presença global estão a mover-se para o digital em todo o mundo. E muitos Estados também. Menos Portugal, claro. Não tem grandes empresas globais e o Estado está capturado de tal forma que mesmo com a introdução do digital os sindicatos não permitem que se saia da era do analógico.

comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana

Sejamos sérios. Queremos números de excedentários despedidos. Hoje em dia, iniciativas destas não se fazem sem substituir factor trabalho por factor capital e sem reduzir a quantidade líquida de factor trabalho alocado e aumentar a quantidade líquida de factor capital alocado. É dos livros, é dos mercados, é da vida.

Anónimo Há 1 semana

esta aplicação e so para os portugueses do continente porque para os acoreanos temos que mudar a hora porque não funciona ok português .

Tiradentes Há 2 semanas

Ó ANONIMO mais votado, você é uma lapa do caraças. Pô, está em todo o lado. É "omnipresente". Caríssimo não desdenhe o que é nacional. Mercêdo meu trabalho, contacto muitas vezes com os serviços do fisco e sei que o nosso fisco está muito bem considerado a nivel MUNDIAL,tendo já ganho vários prémios

Anónimo Há 2 semanas

A melhor maneira de poupar sem perder qualidade do serviço é investindo em capital com elevada incorporação de tecnologia que poupe em factor trabalho e eleve a produtividade para outro patamar. Os nórdicos sabem disso, os britânicos sabem disso, os norte-americanos sabem disso, os australianos e neozelandeses sabem disso. Em Portugal isso é impossível porque a legislação afirma que não se pode despedir excedentários. Paga Zé.

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub