Função Pública Finanças reconhecem atrasos na análise das progressões na carreira
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Finanças reconhecem atrasos na análise das progressões na carreira

Um “conjunto de serviços” voltou a falhar a data para a entrega da informação sobre as progressões dos funcionários. O prazo já tinha sido alargado porque o processo está a ser “complexo”.
Finanças reconhecem atrasos na análise das progressões na carreira
Miguel Baltazar/Negócios

O Governo pediu aos serviços do Estado que enviem informação sobre o direito a progredir acumulado pelos funcionários ao longo dos últimos anos, mas teve de estender o prazo por uma semana, até à passada

)

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 24.05.2017

A classe média é para acabar. A classe média assalariada ou pensionista ex-assalariada, dos grandes e irrevogáveis direitos adquiridos quer seja no brilhantismo com enorme procura de mercado quer seja na mediocridade sem procura alguma ainda que a enorme oferta se arrebanhe em bando sindical ruidoso animado por um insolente falso senso de auto-elegibilidade, está condenada à extinção porque é tudo aquilo que se opõe à criação sustentável de valor no mundo contemporâneo, funcionando como um oneroso e pernicioso entrave ao avanço civilizacional. O mundo só tem lugar para duas classes: a dos criadores de valor, vulgo classe alta, e a dos legítimos capturadores de valor, vulgo classe baixa, que tem tudo a ganhar com isso. A classe média, tomada maioritariamente pelos que se dedicam à mais puramente ignóbil extracção de valor não tem mais lugar nas sociedades e economias do mundo desenvolvido e está já a viver o seu irreversível ocaso, facto que os mais recentes dados estatísticos atestam.

comentários mais recentes
Anónimo 25.05.2017

O JdN consegue certamente arranjar colaboradores inteligentes capazes de explorar os grandes assuntos da realidade económica contemporânea e elaborar sobre o tema do inevitável desaparecimento ou encolhimento acelerado da chamada classe média no mundo desenvolvido, fenómeno este que em nada está dissociado dos problemas que Portugal se recusa a enfrentar, ainda que FMI, UE e OCDE o andem a avisar desde há uns anos a esta parte: http://www.pewsocialtrends.org/2015/12/09/the-american-middle-class-is-losing-ground/

Anónimo 25.05.2017

Dívida e excedentarismo são duas faces da mesma má moeda. É preciso expulsá-la dos nossos Estados, economias e sociedades para pôr termo à grave crise de equidade e sustentabilidade que flagela a Eurozona e atrasa o processo de integração europeu.

Ze nabo 25.05.2017

Nao tomes a medicação não, estão aqui estão a dar pela tua falta no Júlio de Matos....

Anónimo 24.05.2017

A classe média é para acabar. A classe média assalariada ou pensionista ex-assalariada, dos grandes e irrevogáveis direitos adquiridos quer seja no brilhantismo com enorme procura de mercado quer seja na mediocridade sem procura alguma ainda que a enorme oferta se arrebanhe em bando sindical ruidoso animado por um insolente falso senso de auto-elegibilidade, está condenada à extinção porque é tudo aquilo que se opõe à criação sustentável de valor no mundo contemporâneo, funcionando como um oneroso e pernicioso entrave ao avanço civilizacional. O mundo só tem lugar para duas classes: a dos criadores de valor, vulgo classe alta, e a dos legítimos capturadores de valor, vulgo classe baixa, que tem tudo a ganhar com isso. A classe média, tomada maioritariamente pelos que se dedicam à mais puramente ignóbil extracção de valor não tem mais lugar nas sociedades e economias do mundo desenvolvido e está já a viver o seu irreversível ocaso, facto que os mais recentes dados estatísticos atestam.

ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
pub
pub
pub