Finanças Públicas Finanças: "Trimestre após trimestre ultrapassam-se as previsões infundadas" de instituições e analistas sobre o défice

Finanças: "Trimestre após trimestre ultrapassam-se as previsões infundadas" de instituições e analistas sobre o défice

O governo sublinha que o défice orçamental de 2,5% do PIB até ao terceiro trimestre do ano "cumpre objectivos" e defende que está em curso uma "recuperação sustentável" da economia.
Finanças: "Trimestre após trimestre ultrapassam-se as previsões infundadas" de instituições e analistas sobre o défice
Rui Peres Jorge 23 de Dezembro de 2016 às 12:06

O ministério das Finanças sublinha que o défice orçamental até Setembro de 2,5% do PIB, anunciado pelo INE, "cumpre os objectivos" do Governo e "reforça o compromisso" com as metas anuais assumidas pela equipa de Mário Centeno. Este é mais um exemplo de um resultado orçamental melhor que "as previsões infundadas" de analistas e instituição nacionais e internacionais, lê-se numa nota enviada às redações.

"O desempenho das contas públicas reforça o compromisso do Governo com as metas estipuladas. Paulatinamente, trimestre após trimestre, ultrapassam-se assim as previsões infundadas de algumas instituições nacionais e internacionais e de alguns analistas de mercado" lê-se na reacção das Finanças, que acrescenta: "A credibilidade do processo orçamental português sai desta forma reforçada com estes resultados".

O INE divulgou um défice de 2,5% do PIB até Setembro, para o que contribuiu um défice de 1,7% registado no terceiro trimestre. O valor dos primeiros nove meses de 2016 coincide com a meta anual acordada com a Comissão Europeia, e fica uma décima acima de 2,4% do PIB inscritos pelo Governo no Orçamento, um valor que beneficiará da receita entretanto arrecadada com o perdão fiscal, e que deverá rondar os 400 milhões de euros.

"Nos três primeiros trimestres do ano, o défice acumulado foi de 2,5%, continuando a reduzir-se face ao observado até ao trimestre anterior (2,9%). Note-se que neste período os reembolsos de IRS, IRC e IVA superaram em 840,5 milhões de euros os registados no período homólogo de 2015", destaca o ministério das Finanças, que acrescenta ainda que o défice de 1,7% do PIB registado entre Junho e Setembro, foi "conseguido num trimestre em que os reembolsos de IRS, IRC e IVA excederam em 445,2 milhões de euros os do ano anterior".

Na nota que acompanhou a divulgação dos dados, o INE explica que o défice até Setembro foi conseguido com contributos relevantes dos aumentos da receita de impostos indirectos (5,6% em termos homólogos), de contribuições sociais (3,6%), e também de um corte de 28,4% no investimento público face a 2015. 

Para o gabinete de Centeno, o "sucesso do esforço de execução orçamental, que permitirá ao país sair do Procedimento por Défice Excessivo, deve-se à acção coordenada de todos", Estado, famílias e empresas, defende na mesma nota, confiando "que a economia portuguesa se encontra num processo de crescimento sustentável". "Os próximos trimestres deverão confirmá-lo, como revela a informação económica e orçamental já disponível para o quarto trimestre, o que reforça a confiança dos portugueses", reforça o gabinete governamental.

A equipa do Terreiro do Paço fundamenta a sua apreciação nos dados económicos conhecidos até agora relativos a este ano: "O crescimento económico acelerou ao longo do ano (0,2%, 0,3% e 0,8%, em cadeia, nos três primeiros trimestres); o excedente da balança de bens e serviços melhorou 1 041,7 milhões de euros até Setembro; a taxa de desemprego caiu 1,4 pontos percentuais em termos homólogos; e, simultaneamente, o emprego aumentou 1,9%, também em termos homólogos".




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 4 semanas

As mas previsões estão correctas os trafulhas recorrem a esquemas como perdão fiscal para continuar a enganar nas contas, lol
Vigaros, as despesas crescem em todo lado

jonebegood Há 4 semanas

é natal ninguém leva a mal ou será no carnaval que se diz isto.....................

LOL mais votado Há 4 semanas

Na direitola é só anjinhos, Macedo Gold, Relvas, Marcos Antónios, Dias Loureiro. Mata-te palhaço lol

Um Governo Espetacular Há 4 semanas

Um trabalho fantástico. Parabéns.

pub
pub
pub
pub