Função Pública Finanças: Problemas informáticos só se colocam se duodécimos forem opcionais

Finanças: Problemas informáticos só se colocam se duodécimos forem opcionais

É a possibilidade de os funcionários poderem decidir se querem ou não receber o subsídio de Natal em duodécimos que pode criar problemas informáticos, esclarecem as Finanças, sem fecharem a porta a qualquer das opções.
Finanças: Problemas informáticos só se colocam se duodécimos forem opcionais
Bruno Simão/Negócios
Catarina Almeida Pereira 12 de Outubro de 2016 às 14:45

Um sistema em que os funcionários públicos pudessem escolher se querem ou não receber o subsídio em duodécimos poderia criar problemas informáticos, esclareceu ao Negócios fonte oficial do Ministério das Finanças, acrescentando contudo que não está com isto a indicar o sentido da decisão do Governo.

Actualmente, o subsídio de Natal é pago aos funcionários públicos em duodécimos mas no próximo orçamento o Governo tem de escolher o que fará: se prolonga o regime actual, se elimina de vez os duodécimos no Estado (como já noticiou o Observador) ou se permite que as pessoas possam escolher que tipo de pagamento preferem, à semelhança do que acontece no sector privado e em linha com o que é defendido pela UGT.

Esta quarta-feira, na sequência de uma reunião no Ministério das Finanças, Helena Rodrigues, do Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado, explicou aos jornalistas que a eliminação dos duodécimos já em Janeiro poderia trazer problemas informáticos.

Agora, o Ministério das Finanças esclarece que eventuais dificuldades só se colocam se houver possibilidade de opção e que mesmo assim podem ser ultrapassadas. A mera eliminação dos duodécimos não trará, por isso, problemas técnicos de maior.

Apesar de ter esclarecido este ponto, o Ministério das Finanças recusa esclarecer qual a decisão em cima da mesa, por se tratar de matéria relativa ao Orçamento do Estado para 2016.

 

 




A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas


PS ROUBA A VIDA A 500.000 TRABALHADORES


EMIGRAÇÃO FORÇADA

Os Portugueses foram obrigados a emigrar devido à bancarrota do Socrates! …

e ao brutal aumento de impostos, ordenado pelo TC, para sustentar os privilégios da FP e seus pensionistas.

(claro que os xux.as e FP tentam esconder esta realidade)

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas



Comemorações Oficiais

FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


AS PENSÕES DOURADAS DA CGA

As reformas mais antigas são as mais elevadas porque tiveram fórmulas mais favoráveis.
São também aquelas em que as pessoas se reformaram/aposentaram com menos idade.
Por isso devem ter os maiores cortes.

Ex: Muitas pessoas reformaram-se/aposentaram-se com 36 anos de descontos e 54 de idade.
Ou seja, muitas dessas pessoas vão estar mais anos a receber a pensão, do que os anos que trabalharam e descontaram.
Basta que vivam até depois dos 90 anos, o que se verifica com cada vez mais pessoas.

Pergunta: Estas pessoas fizeram descontos suficientes para terem a pensão que recebem?

Resposta: Não, nem para metade.


Gracinda Barros Há 3 semanas

Ah!

Jose Santos Há 3 semanas

Logo devem ser dados como era antes, simples!

Mauricio Sousa Há 3 semanas

que bela foto de trabalhadores

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub