Função Pública Finanças: Problemas informáticos só se colocam se duodécimos forem opcionais

Finanças: Problemas informáticos só se colocam se duodécimos forem opcionais

É a possibilidade de os funcionários poderem decidir se querem ou não receber o subsídio de Natal em duodécimos que pode criar problemas informáticos, esclarecem as Finanças, sem fecharem a porta a qualquer das opções.
Finanças: Problemas informáticos só se colocam se duodécimos forem opcionais
Bruno Simão/Negócios
Catarina Almeida Pereira 12 de Outubro de 2016 às 14:45

Um sistema em que os funcionários públicos pudessem escolher se querem ou não receber o subsídio em duodécimos poderia criar problemas informáticos, esclareceu ao Negócios fonte oficial do Ministério das Finanças, acrescentando contudo que não está com isto a indicar o sentido da decisão do Governo.

Actualmente, o subsídio de Natal é pago aos funcionários públicos em duodécimos mas no próximo orçamento o Governo tem de escolher o que fará: se prolonga o regime actual, se elimina de vez os duodécimos no Estado (como já noticiou o Observador) ou se permite que as pessoas possam escolher que tipo de pagamento preferem, à semelhança do que acontece no sector privado e em linha com o que é defendido pela UGT.

Esta quarta-feira, na sequência de uma reunião no Ministério das Finanças, Helena Rodrigues, do Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado, explicou aos jornalistas que a eliminação dos duodécimos já em Janeiro poderia trazer problemas informáticos.

Agora, o Ministério das Finanças esclarece que eventuais dificuldades só se colocam se houver possibilidade de opção e que mesmo assim podem ser ultrapassadas. A mera eliminação dos duodécimos não trará, por isso, problemas técnicos de maior.

Apesar de ter esclarecido este ponto, o Ministério das Finanças recusa esclarecer qual a decisão em cima da mesa, por se tratar de matéria relativa ao Orçamento do Estado para 2016.

 

 




A sua opinião12
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 12.10.2016


PS ROUBA A VIDA A 500.000 TRABALHADORES


EMIGRAÇÃO FORÇADA

Os Portugueses foram obrigados a emigrar devido à bancarrota do Socrates! …

e ao brutal aumento de impostos, ordenado pelo TC, para sustentar os privilégios da FP e seus pensionistas.

(claro que os xux.as e FP tentam esconder esta realidade)

comentários mais recentes
Anónimo 12.10.2016



Comemorações Oficiais

FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


AS PENSÕES DOURADAS DA CGA

As reformas mais antigas são as mais elevadas porque tiveram fórmulas mais favoráveis.
São também aquelas em que as pessoas se reformaram/aposentaram com menos idade.
Por isso devem ter os maiores cortes.

Ex: Muitas pessoas reformaram-se/aposentaram-se com 36 anos de descontos e 54 de idade.
Ou seja, muitas dessas pessoas vão estar mais anos a receber a pensão, do que os anos que trabalharam e descontaram.
Basta que vivam até depois dos 90 anos, o que se verifica com cada vez mais pessoas.

Pergunta: Estas pessoas fizeram descontos suficientes para terem a pensão que recebem?

Resposta: Não, nem para metade.


Gracinda Barros 12.10.2016

Ah!

Jose Santos 12.10.2016

Logo devem ser dados como era antes, simples!

Mauricio Sousa 12.10.2016

que bela foto de trabalhadores

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub