Américas Fitch: Administração de Donald Trump ameaça condições económicas internacionais

Fitch: Administração de Donald Trump ameaça condições económicas internacionais

A administração do Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, representa um risco para as condições económicas internacionais, advertiu a Fitch, sustentando que a previsibilidade da política norte-americana diminuiu.
Fitch: Administração de Donald Trump ameaça condições económicas internacionais
Reuters
Lusa 11 de fevereiro de 2017 às 09:58

A agência de notação financeira indicou, numa análise publicada na sexta-feira, que a previsibilidade das políticas dos Estados Unidos diminuiu, "com o abandono de canais internacionais de comunicação e de normas que regem as relações, elevando as perspectivas de mudanças súbitas e inesperadas nas políticas norte-americanas com potenciais implicações globais".

"Os principais riscos para créditos soberanos incluem a possibilidade de mudanças disruptivas nas relações comerciais, menores fluxos internacionais de capital, limites à migração que afectem as remessas e intercâmbios contenciosos entre políticos que contribuam para uma maior ou prolongada volatilidade das divisas e outros mercados financeiros", apontou.

A Fitch sublinhou que a materialização de tais riscos definiria um contexto desfavorável para o crescimento económico, colocando pressão sobre as finanças públicas.


Segundo a agência de notação financeira, as nações com maiores riscos diante de mudanças adversas "são aquelas com laços económicos e financeiros estreitos com os Estados Unidos e que estão sob escrutínio devido a desequilíbrios financeiros existentes ou a percepções de quadros ou práticas desleais nas suas relações bilaterais".


"Canadá, China, Alemanha, Japão e México têm sido identificados explicitamente pela Administração [de Donald Trump] como países que têm acordos comerciais ou políticas sobre taxas de câmbio que merecem atenção, mas é pouco provável que a lista termine aí", realça a Fitch.


A agência de notação financeira alertou ainda que os países que acolhem investimento norte-americano directo também arriscam ser assinalados como alvo de medidas comerciais punitivas.


"Os países com a maior proporção de investimento norte-americano na indústria são Canadá, Reino Unido, Países Baixos, México, Alemanha, China e Brasil", indicou.




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 2 semanas

Essas ameassas ao Trump so' provam que muitos paises do mundo; sobretudo socialistas, sem a ajuda da America nao conseguem sobreviver; e' isso que eu compreendo; sera'?

comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Essas ameassas ao Trump so' provam que muitos paises do mundo; sobretudo socialistas, sem a ajuda da America nao conseguem sobreviver; e' isso que eu compreendo; sera'?

Conselheiro de Trump Há 2 semanas

Este carallho nao tem pinta para ser Diabo,e anda a fazer-se de Deus omnipotente na terra.NAo sera ja mais que tempo de acabar com a campanha eleitoral.Maos a obra e bico calado.

Telmo Há 2 semanas

A trampa fará da América um país insustentável. As grandes multinacionais americanas estão a prever a situação calamitosa e pensam em mudar sedes para países abertos ao mundo.

Tereza economista Há 2 semanas

Tem razão mas é ao contrario a America cairá no caos, pois milhões da cortaram da sua lista produtos made in usa, Eu vou risca-los do meu vocabulário.

pub