Economia Fitch alerta: "É maior a probabilidade de cortar o "rating" do que o contrário"

Fitch alerta: "É maior a probabilidade de cortar o "rating" do que o contrário"

A Fitch manteve o "outlook" negativo para Portugal, alertando que "é maior a probabilidade de cortar o "rating" do que o contrário", isto em reacção à proposta de Orçamento do Estado para 2010, apresentada ontem, onde o Governo revelou uma projecção de défice referente a 2009 maior do que o esperado.
Paulo Moutinho 27 de janeiro de 2010 às 11:10
A Fitch manteve o “outlook” negativo para Portugal, alertando que “é maior a probabilidade de cortar o ‘rating’ do que o contrário”, isto em reacção à proposta de Orçamento do Estado para 2010, apresentada ontem, onde o Governo revelou uma projecção de défice referente a 2009 maior do que o esperado.

O défice orçamental de 2009 terá ficado nos 9,3% do produto interno bruto (PIB), de acordo com os valores ontem revelados pelo Governo através da proposta de Orçamento do Estado para 2010. Para este ano, as estimativas do Executivo apontam para uma redução para os 8,3%.

Em entrevista à Reuters, Douglas Renwick, responsável da Fitch Ratings, afirma que “foi bom ver o reconhecimento da necessidade de consolidação” no OE para 2010. Contudo, “não é a proposta de consolidação mais agressiva”, dado que a intenção do Governo é de retirar apenas um ponto percentual ao défice.

“O primeiro ponto que nos surpreendeu foi a revisão em alta do défice de 2009, o que foi desapontante. Um défice de 9,3% é significativo”, sublinhou Renwick, em entrevista à agência noticiosa. “São mais três pontos do que quando colocámos o ‘outlook’ para a dívida portuguesa em negativo, em Setembro”. O “rating” actual é de “AA”.


A sua opinião11
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
CAD777 27.01.2010

podem ser objecto de censura e eventualmente justa. Todavia a verdade é que há um descrédito neste ministro e mesmo que o BdP reitere o que ele diz, tal merece igualmente, credibilidade zero. Também as empresas de rating registaram a mentira em Setembro do deficit para efeitos eleitorais e o seu crecimento exponencial até Dezembro. Claro que o malabarismo dos casamentos homo, e outros malabarismos só aumentam a descredibilização. Constatam igualmente os autênticos "robertos" que são a oposição do PSD e CDS. Para as empresas de rating, somos governados por aldrabões e a oposição é uma treta. Uns incapazes. Portugal é um enorme circo até aparecer gente capaz e séria...

surpreso 27.01.2010

labareda 27.01.2010

pertinaz 27.01.2010

...é o que andamos todos a fazer. Este desgoverno NUNCA devia ter sido reeleito!

ver mais comentários
pub