Conjuntura FMI antecipa aceleração mais forte nos EUA

FMI antecipa aceleração mais forte nos EUA

Não obstante ser grande a incerteza de como será a administração Trump, o FMI prevê agora que a maior economia mundial cresça mais do que calculava antes das eleições norte-americanas.
FMI antecipa aceleração mais forte nos EUA
Reuters
Eva Gaspar 16 de janeiro de 2017 às 14:00
Após ter possivelmente crescido 1,6% em 2016, a economia norte-americana deverá expandir-se 2,3% neste ano e voltar a acelerar para 2,5% em 2018, antecipa o Fundo Monetário Internacional (FMI) que actualizou nesta segunda-feira, 16 de Janeiro, as suas previsões para as principais economias mundiais, fazendo para os Estados Unidos as maiores revisões em alta.

Não obstante sublinhar ser grande a incerteza sobre o rumo das políticas da nova administração de Donald Trump, que toma posse nesta sexta-feira, o FMI espera que, em resultado dos estímulos orçamentais prometidos durante a campanha e de uma subida mais progressiva das taxas de juro por parte da Reserva Federal, a economia norte-americana cresça mais uma décima neste ano e quatro décimas no ano seguinte por comparação com os números que havia divulgado em Outubro passado, ainda antes das eleições presidenciais.

Olhando para a Europa, o FMI antecipa que também a Zona Euro cresça ligeiramente mais neste ano do que previa em Outubro (1,6%, revisão em alta em uma décima, mas abaixo dos 1,7% de 2016), vendo Espanha crescer 2,3%, Alemanha 1,5% (em ambos os casos, uma décima acima das anteriores previsões) e França 1,6% (número inalterado). Já Itália, mergulhada num novo capítulo de instabilidade política e de crise bancária, é o único grande país do euro a sofrer um corte, de duas décimas, nas previsões de crescimento, que se deverá manter aquém de 1% até ao fim de 2018.

O Reino Unido deverá crescer menos neste ano em que começará a negociar a sua saída da União Europeia, mas a desaceleração deverá ser muito menos acentuada do que o FMI calculava em Outubro. A instituição presidida por Christine Lagarde prevê que, depois de ter crescido 2% em 2016,  a economia britânica cresça 1,5% em 2017, o que traduz uma revisão em alta em quatro décimas.

Tal como os EUA e o conjunto da Europa, a China deverá fazer melhor e crescer 6,5%, três décimas acima do que o FMI antecipava em Outubro (ainda que menos do que os 6,7% que terão sido registados em 2016). Em contrapartida, as previsões para a Índia e para o Brasil foram revistas em baixa em quatro e três décimas para 7,2% e 0,2%, respectivamente, o que ajuda a explicar a manutenção das previsões para a economia global em 3,4%, acima dos 3,1% de 2016.

Perante este cenário, o FMI mantém a sua recomendação para que a política monetária permaneça acomodatícia, assim como o seu alerta de que a actuação dos bancos centrais é, por si só, insuficiente para elevar a procura agregada. É "essencial", repete o FMI, o apoio das políticas orçamentais e de reformas estruturais, e nos países em que o ajustamento do défice orçamental não possa ser adiado "o seu ritmo e composição devem ser calibrados para minimizar o impacto na produção".

O Negócios analisou em directo no Facebook o relatório do FMI com as projecções para a economia mundial. Veja o vídeo.





A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 1 semana


PRINCÍPIO DA IGUALDADE, justiça, confiança, proporcionalidade (Ler com atenção se for membro do TC)

Então há dinheiro para pagar aos atuais pensionistas, e não há dinheiro para pagar aos futuros pensionistas?
Mas que justiça é esta?...

As pensões, sejam elas altas ou baixas, devem ser calculadas pela mesma fórmula para todos, atuais e futuros pensionistas!

comentários mais recentes
Anónimo Há 1 semana


PRINCÍPIO DA IGUALDADE, justiça, confiança, proporcionalidade (Ler com atenção se for membro do TC)

Então há dinheiro para pagar aos atuais pensionistas, e não há dinheiro para pagar aos futuros pensionistas?
Mas que justiça é esta?...

As pensões, sejam elas altas ou baixas, devem ser calculadas pela mesma fórmula para todos, atuais e futuros pensionistas!

pub
pub
pub
pub