Função Pública FMI avisa Governo: Descongelar carreiras exige reformas estruturais na Função Pública

FMI avisa Governo: Descongelar carreiras exige reformas estruturais na Função Pública

Fundo deixa alerta ao Executivo em plena preparação do Orçamento do Estado para 2018. É preciso tornar a folha salarial do Estado mais sustentável.
FMI avisa Governo: Descongelar carreiras exige reformas estruturais na Função Pública
Bruno Simão/Negócios
Marta Moitinho Oliveira 15 de setembro de 2017 às 10:00

O Fundo Monetário Internacional (FMI) defende que o Governo deve adoptar reformas estruturais na Função Pública, que tornem a folha salarial com os trabalhadores do Estado mais sustentável. No relatório publicado esta sexta-feira, a instituição deixa um alerta para a preparação do Orçamento do Estado para 2018.

"As pressões sobre a folha salarial da Função Pública associadas ao descongelamento de carreiras vão exigir a implementação de reformas estruturais para que a despesa com salários seja mais sustentável", lê-se no relatório publicado ao abrigo do artigo IV.

O aviso acontece a um mês da entrega do Orçamento do Estado para o próximo ano e quando o Governo negoceia com os sindicatos e os parceiros políticos a forma de implementar a progressão de carreiras.

O descongelamento das carreiras tem um impacto avaliado em 600 milhões de euros, segundo números revelados pela secretária de Estado da Administração Pública, Maria de Fátima Fonseca, nas reuniões com os representantes dos trabalhadores.

A esta questão, o Fundo junta outra preocupação, ao lembrar que, ao contrário do compromisso assumido, o Governo não reduziu o número de trabalhadores na Administração Pública – uma medida que tinha sido apresentada com uma compensação para a reversão dos cortes salariais.

Agora, o FMI considera que a racionalização do emprego público será "mais difícil de alcançar sem reformas estruturais para ajustar o emprego público".

Em resposta ao Fundo, o Governo manteve a intenção de reduzir o nível de emprego público. Em 2016, o número de funcionários da Administração Pública aumentou 0,7%, a segunda subida consecutiva.

A instituição liderada por Christine Lagarde desafia ainda o Governo a preparar uma recomposição da Administração Pública, tendo em conta as tendências demográficas. "Os níveis de emprego devem ser gradualmente alinhados para responder às necessidades futuras em sectores chave, com uma redução no sector da educação, e um aumento no sector da saúde em resposta ao envelhecimento."    

O Fundo acredita que serão precisos menos professores, mas avisa para os perigos de algumas alterações no acesso ao serviço público, principalmente em meios rurais – como por exemplo a fusão de escolas primárias com secundárias.

Já no sector da saúde, o Fundo defende que as pressões para contratar mais profissionais devem ser "contidas" através da redução da dependência em relação aos grandes hospitais e aumentando o papel dos cuidados primários. 




A sua opinião4
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Mr.Tuga 21.09.2017

"REFORMAS" !?!?!?!??!?!

Isso não existe no vocabulário do xuxas e geringonços e do clube do DESPESISTAS FALIDOS do Largo das RATAZANAS!

Anónimo 15.09.2017

Dívida bruta das Administrações Públicas
2000 64.640,5
2001 72.554,2
2002 80.133,6
2003 85.726,1
2004 94.454,1
2005 106.919,5
2006 115.002,2
2007 120.088,5
2008 128.191,4
2009 146.691,3
2010 173.062,5
2011 196.231,4
2012 212.556,0
2013 219.714,9
2014 (R)226.030,6
2015 Pro231.540,4
2016 Pro241.060,9
Vejam a subida da divida publica nos seis anos do socrates, aumentou 90 mil milhões de euros em 6 anos, origem da banca rota de 2011!!! Em 2016 com os bancarroteiros novamente no poder aumentou 10 mil milhões de euros e este ano até julho (7 meses) já vai em 9 mil milhões de euros. Com os xuxas não tem nada que saber, pedir emprestado em grande, depois logo se vê (banca rota).

pertinaz 15.09.2017

ERA O QUE MAIS FALTAVA...
A ESCUMALHA É QUE DECIDE A SUA AGENDA...

Pinto 15.09.2017

A empresa (Estado) está falido e perde dinheiro todos os anos. O que se faz? Reduzem-se custos? Nada disso. Mete-se mais gente e aumentam-se os salários. É claro que vai correr bem, os bifes adoram isto e até fazem fila no Ramiro... Siga o circo, palhaços não faltam.

Saber mais e Alertas
pub