Ajuda Externa FMI e Bruxelas de volta a Lisboa para mais uma missão pós-resgate

FMI e Bruxelas de volta a Lisboa para mais uma missão pós-resgate

A missão técnica do Fundo Monetário Internacional (FMI) e da Comissão Europeia está de volta a Lisboa para realizar a quinta visita de monitorização pós-programa e "avaliar a situação financeira e macroeconómica" de Portugal.
FMI e Bruxelas de volta a Lisboa para mais uma missão pós-resgate
Reuters
Lusa 29 de Novembro de 2016 às 23:16

Fonte da Comissão Europeia disse à Lusa que a missão terá reuniões sobre "vários tópicos na área da política económica para avaliar a situação financeira e macroeconómica do país", acrescentando que será emitido o habitual comunicado no final da visita e que o relatório detalhado será conhecido "no início da Primavera".

 

Também fontes oficiais do FMI confirmaram à Lusa que a missão técnica do Fundo e de Bruxelas está em Portugal no âmbito das monitorizações pós-programa, que se realizam semestralmente até que o Estado devolva a maior parte do empréstimo contraído quando formalizou o resgate económico e financeiro.

 

A informação tinha sido inicialmente adiantada pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, esta noite num evento em Lisboa: "Vivemos, não direi o dia-a-dia, ou a semana a semana, mas certamente o mês a mês, com dois orçamentos aprovados em menos de um ano, com o acompanhamento constante por parte da União Europeia, quando não mesmo da troika - que já se encontra novamente em Portugal", declarou o chefe de Estado.

 

Apesar de o Programa de Assistência Económica e Financeira (PAEF) ter terminado em 2014, tanto o FMI como a Comissão Europeia vão manter missões regulares a Portugal até que o país reembolse a maioria dos empréstimos, o que no caso do Fundo deverá ser em 2022 e de Bruxelas em 2035.




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
pub