Economia FMI não participará mais em qualquer programa de resgate grego

FMI não participará mais em qualquer programa de resgate grego

O Fundo Monetário Internacional (FMI), credor da Grécia com a zona euro, não participará mais em qualquer programa de resgate grego, revelou o ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, numa entrevista hoje publicada pelo diário grego Ta Néa.
FMI não participará mais em qualquer programa de resgate grego
O ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, garante que o terceiro programa grego (2015-2018) será o último com a participação do FMI.
Lusa 01 de julho de 2017 às 12:15

"Achamos todos conveniente (zona euro e FMI) que o terceiro programa grego (2015-2018) seja o último com a participação do FMI", indicou o ministro Finanças alemão, Wolfgang Schäuble, conhecido pela intransigência sobre a questão da reestruturação da dívida grega, numa entrevista publicada este sábado pelo diário grego Ta Néa.

 

O FMI tem insistido no alívio da dívida grega, uma solução que, segundo a instituição, pode dar um novo fôlego à economia do país. 

 

Tendo participado financeiramente nos dois primeiros empréstimos internacionais acordados para solucionar a crise da dívida, o FMI continua presente no terceiro programa grego mas recusa de momento dar dinheiro se a zona euro não decidir aliviar a dívida grega (actualmente em 180% do Produto Interno Bruto, PIB).

 

Segundo o ministro alemão, "as regras do FMI correspondem a um país que dispõe da sua própria moeda mas não de um país-membro de uma união monetária".

 

Membro da zona euro, a Grécia tem dificuldades "em tornar-se competitiva num ambiente de paridade monetária", explica Schäuble.

 

Os empréstimos internacionais acordados à Grécia desde o início da crise da dívida em 2010 e acompanhados de uma dura austeridade "geraram alguns resultados mas não resolveram o problema", considera Wolfgang Schäuble, que mesmo assim espera uma solução a partir de agora até ao fim do programa actual em 2018.

 

Schäuble defende que "o Mecanismo Europeu de Estabilidade deve transformar-se num fundo monetário europeu" para responder às eventuais necessidades dos países membros da zona euro.

 

Sob pressão, sobretudo de Berlim, a zona euro ainda não tomou qualquer decisão sobre a questão da dívida grega, tendo adiado a resolução deste problema para o próximo ano. 




pub