Mundo FMI prevê abrandamento da economia chinesa

FMI prevê abrandamento da economia chinesa

O ritmo de crescimento da economia chinesa continua a abrandar e deverá crescer 6,6%, em 2017, à medida que Pequim enceta uma transição para um modelo económico baseado no consumo interno, afirmou hoje o Fundo Monetário Internacional (FMI).
FMI prevê abrandamento da economia chinesa
Reuters
Lusa 09 de maio de 2017 às 07:29

"O crescimento chinês continuará a desacelerar na sua transição para uma economia mais baseada no consumo", afirma o FMI, no seu último relatório sobre a economia na região Ásia-Pacífico.

 

"No entanto, apesar do abrandamento, a China continuará a liderar o crescimento mundial, representando um terço do total", acrescenta o FMI.

 

Segundo o relatório apresentando pela instituição, o Produto Interno Bruto chinês vai crescer 6,6%, em 2018, e 6,2%, em 2019.

 

Os especialistas do FMI crêem que a transição terá "efeitos negativos" a curto prazo para a maioria dos países exportadores, como a Coreia do Sul ou a Malásia, mas que trará benefícios a longo prazo.

 

O abrandamento dos grandes investimentos e importações chinesas, que compra actualmente 40% dos metais e 10% do petróleo no mundo, afectarão os preços das matérias-primas, segundo o relatório.

 

O índice de preços ao consumidor cresceu no país asiático 2% em 2016, e em 2017 deverá aumentar 2,4%.

 

O FMI adverte ainda para alguns riscos para a economia chinesa, como o envelhecimento da população, um fenómeno que partilha com grande parte da região, e a tendência proteccionista dos Estados Unidos.

 

"A tensão acrescida e a incerteza no clima do comércio mundial poderia afectar negativamente as exportações da Ásia e Estados Unidos", nota a instituição.

 




A sua opinião0
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
Saber mais e Alertas
pub