Economia FMI: Venezuela avança para hiperinflação

FMI: Venezuela avança para hiperinflação

O Fundo Monetário Internacional (FMI) actualizou as previsões económicas para a América Latina e as Caraíbas, prevendo que o Produto Interno Bruto (PIB) da Venezuela registe uma nova contracção e que o país entre em hiperinflação.
FMI: Venezuela avança para hiperinflação
Reuters
Negócios com Lusa 24 de janeiro de 2017 às 00:40

"A Venezuela continua mergulhada numa profunda crise económica que avança para uma hiperinflação", afirma o FMI. A instituição refere como causas principais o défice orçamental, as enormes distorções económicas e uma forte restrição da disponibilidade de importações de bens intermédios.

 

Os dados divulgados pelo FMI projectam "uma marcada contracção da actividade económica" em 2017, e uma contracção do PIB de 6,0%, inferior a 2016 (menos 12%) e 2015 (menos 6,3%).

 

No passado dia 15, recorde-se, o presidente venezuelano, Nicolás Maduro (na foto), anunciou a assinatura do primeiro Decreto de Emergência Económica de 2017, para superar a crise e dando continuidade ao estado de "excepção" que vigora no país desde Janeiro de 2016.

 

Esta segunda-feira, 23 de Janeiro, vários milhares de opositores do governo venezuelano protestaram nas ruas da capital, Caracas, e de outras sete cidades do país, para pressionarem a realização de eleições regionais e conseguirem uma saída para a severa crise.

 

Além da Venezuela, o FMI prevê uma contracção noutras economias de países da América do Sul, como a Argentina (-2,2%). Quanto ao Brasil, admite que este último possa regista um ligeiro crescimento, não superior a 0,2%.

 

Dados não oficiais dão conta que a Venezuela poderá ter registado, em 2016, mais de 600% de inflação.


A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Fernando Marçal 24.01.2017

Como é possível um país petrolífero estar numa situação de miséria. Apesar dos concelhos que recebia do falecido Fidel Castro, o partido no poder não tem capacidade governamental. E o mal é que, apesar de não ter maioria no senado, Maduro não quer abandonar o poder.

Luís 24.01.2017

600% o que é isso ,nada de especial, desde que se mantenha a chulada toda nos poleiros mais uns subsídios e umas regalias pra classe (operária) e se cobre impostos até ser um confisco ,tudo vai bem...

A Mariana Mortégua q arregale os olhos! 24.01.2017

A Catarina teatreira e a filha do assaltante Camilo Mortágua q ponham aqui os olhos e vejam para onde nos levam a esquerdalha. Inflação de mais de 600%! Ora tomem!

pub
pub
pub
pub