Autarquias Fontes de Belém, Alameda e Parque das Nações desligadas por causa da seca

Fontes de Belém, Alameda e Parque das Nações desligadas por causa da seca

A Câmara Municipal de Lisboa anunciou hoje que vai desligar provisoriamente as fontes ornamentais da cidade que usem água da rede e reduzir a rega nos espaços verdes como medidas de combate aos efeitos da seca.
Fontes de Belém, Alameda e Parque das Nações desligadas por causa da seca
Paulo Calado
Lusa 15 de novembro de 2017 às 15:24
O anúncio foi feito ao final da manhã, pelo presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina (PS), que ressalvou que a capital "não é directamente afectada pela seca", mas que pretende passar um sinal de responsabilidade ambiental.

"Lisboa não é directamente afectada, mas entende como maior consumidor da maior cidade do país, que é da sua responsabilidade promover soluções ambientalmente sustentáveis em todas as suas áreas de actuação", justificou o autarca.

Nesse sentido, Fernando Medina referiu que a autarquia lisboeta irá tomar medidas provisórias e imediatas, nomeadamente a interrupção do funcionamento de algumas fontes ornamentais, como a da Praça do Império (Belém), a da Alameda e a cascata do Parque das Nações.

"Serão desligadas todas as que não usem apenas água circulável", apontou.

Outra das medidas da autarquia será a interrupção da rega em espaços verdes junto a grandes vias, como a 2ª circular e a Avenida Lusíada e a redução da rega em espaços verdes sob gestão da Câmara Municipal de Lisboa "ao limite de sobrevivência".

A medida de combate aos efeitos prolongados da seca prevê ainda a racionalização da água nos cemitérios.

"A reserva de água que serve Lisboa serve também outros pontos do país. Estamos comprometidos em fazer a nossa parte e gerir os recursos com mais responsabilidade e eficiência", concluiu.

Esta decisão de Fernando Medina ocorre na sequência da situação de seca que o país está a atravessar e que já levou o Governo a lançar uma campanha de sensibilização para o consumo de água, aconselhando os cidadãos a pouparem um recurso que é escasso.



A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
General Ciresp Há 3 semanas

O madeirense Ronaldo teve graca quando disse:Nao cuspo no prato que comi,o mesmo nao se pode dizer deste LIMGRINHAS,CHONINHA.Diz poupar agua sem precisar,mas fode a guita que devia ser destribuida pelo pais inteiro.Afinal em que ficamos?

Legru Há 3 semanas

Só agora?...

Silva Há 3 semanas

Mais vale tarde. Esperemos que as pessoas comecem a perceber a gravidade da situação de seca em Portugal e criem rotinas e hábitos de poupança, ou vão sofrer.

Anónimo Há 3 semanas

Já o devia ter feito há 6 meses atrás!
Vergonha!

ver mais comentários