Defesa Força Aérea tem de comprar mais helicópteros para combater fogos

Força Aérea tem de comprar mais helicópteros para combater fogos

Com o Governo a atribuir a gestão dos meios aéreos de combate a incêndios à Força Aérea, este ramo vai precisar de adquirir mais do que os cinco helicópteros que estava previsto comprar, escreve o Diário de Notícias.
Força Aérea tem de comprar mais helicópteros para combater fogos
Bruno Simões 26 de outubro de 2017 às 09:42

A Força Aérea deverá precisar de adquirir mais do que os cinco novos helicópteros que estavam previstos. Com o Governo a passar a gestão dos meios aéreos de combate a incêndios para este ramo militar, a Força Aérea vai informar o Governo de que o referido concurso para novos helicópteros, no valor de 20,5 milhões de euros, terá de ser inevitavelmente alargado para comprar mais aparelhos, escreve hoje o Diário de Notícias.

 

A Força Aérea deve entregar até à próxima segunda-feira um relatório ao ministro da Defesa onde vai identificar as condições necessárias para assumir a missão de combate a fogos e, de acordo com fontes ouvidas pelo jornal, o alargamento do referido concurso é dado como inevitável. O concurso, lançado em Maio, recebeu candidaturas da italiana Leonardo (que engloba a Agusta Westland, que forneceu os helicópteros Merlin EH-101) e a Airbus Defense and Space (construtora da aeronave C-295, operada pela Força Aérea).

 

Esta última tem ainda 300 milhões de euros de contrapartidas por executar em Portugal, precisamente associados à compra dos 12 aviões C-295, de fabrico espanhol (sete de transporte táctico e cinco de vigilância marítima), adquiridos em 2008 por 274 milhões de euros com contrapartidas de 460 milhões.

 

Neste momento, prossegue o DN, não se sabe o que vai acontecer ao actual dispositivo de combate a incêndios. Entre as dúvidas por esclarecer estão o futuro dos seis helicópteros pesados russos Kamov, geridos pela ANPC, e o que vai acontecer ao contrato com a Everjets que garante 25 meios aéreos, que termina no próximo ano. No Orçamento do Estado do próximo ano surge uma verba de 270 milhões para a Lei de Programação Militar, o que deverá ser suficiente para satisfazer as exigências adicionais colocadas pelas novas atribuições em matéria de combate a fogos.

 

Os cinco novos helicópteros vão substituir os 18 velhinhos Alouette (na foto), em operação na Força Aérea portuguesa desde 1963, do tempo da Guerra Colonial, que esgotam no próximo ano a sua vida útil. Esta aeronave deixou de ser produzida em 1985 e já não há peças para ela no mercado. O problema é que o primeiro novo helicóptero só deve chegar a Portugal na segunda metade de 2019. 




pub