Economia Fornecedor austríaco das Pandur exige 192 mil euros em juros de mora ao Estado português

Fornecedor austríaco das Pandur exige 192 mil euros em juros de mora ao Estado português

A empresa austríaca Steyr enviou em 2011 duas facturas ao Exército Português no valor total de 192,4 mil euros por juros de mora no contrato das viaturas blindadas Pandur, que está a ser renegociado pelo Ministério da Defesa.
Fornecedor austríaco das Pandur exige 192 mil euros em juros de mora ao Estado português
Lusa 14 de abril de 2012 às 13:02
"Por via do atraso no pagamento das facturas relativas ao fornecimento das viaturas blindadas de rodas foram cobrados, conforme previsto no contrato celebrado em 2005, juros de mora no montante global de 192,4 mil euros", aponta o relatório de execução da Lei de Programação Militar (LPM) relativo ao ano de 2011, a que a agência Lusa teve acesso.

Segundo o documento, o atraso do lado português deveu-se à "falta de liquidez financeira decorrente da não disponibilização dos saldos transitados de 2010" e à "aplicação do regime duodecimal na libertação de verbas da LPM", tendo chegado ao Exército "duas facturas no montante de 131 mil e 61 mil euros".

"Das 240 viaturas contratualizadas foram entregues 166, das quais 99 entraram no período de garantia por não possuírem quaisquer restrições", pode ler-se.

O relatório de execução refere ainda que este contrato "está em fase de renegociação pelo MDN, aguardando-se definição quanto à sua aceitação pelo adjudicatário".

Há duas semanas, o semanário Sol adiantava que o ministro da Defesa, José Pedro Aguiar-Branco, estava a renegociar o contrato das Pandur e contava "com um parecer jurídico do escritório de advogados Sérvulo Correia & Associados para defender a posição do Estado e evitar pagar penalizações por alterações do contrato original".



A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
vasconcelos 15.04.2012

O ministério da defesa deve contratar a empresa de advogados de Aguiar Branco. Pode a exemplo do que aconselhou ao BES com o perdão da divída de Manuel Gonçalves (58 mil euros).Permitindo que este retome o posto de vereador na câmara do porto e ser nomeado para a administração das Águas do Porto. Obtendo assim um salariozito de 7000€.

Anónimo 15.04.2012

noticia que o jornalista so perde por nao ficar calado estas coisas sao importantes e complexas demais para andarem na boca de jente tao pequena nao pelos montantes mas pelo sgnificativo .Quando é que estes profinalsinhos vao saber quando devem falar au ficar calados ?

RICARDO 14.04.2012

OS DINHEIROS BEM GERIDOS. DEVEM TANTO EM QUÊ NÃO SE PAGA NADA A NINGUEM COMO É QUE NÃO HÁ DINHEIRO AONDE ESTÁ O DINHEIRO. NÃO HÁ PALAVRAS PARA ESTA CAMBADA DE INÚTEIS E PARASITAS DA SOCIEDADE.

jcarriço 14.04.2012

SEM PALAVRAS OS SOCALISTAS ANTES HAVIA OS SUBMARINOS E AGORA. CONCLUSÃO QUE OS PORTUGAS ESPERTOS MAS NAO INTELIGENTES AQUI A DIFERENÇA. QUE É TUDO DO MESMO COMEÇO TAMBEM A DESCONFIAR QUE O RESTO DA MARALHA É TUDO IGUAL E TAMBEM E 25% DA POPULAÇA TAMBEM TEM OS SEUS TACHOOS O OUTROS 75% ESTAO NAS LONAS ALGUNS AINDA A RESPIRAR MAS SÓ PELA BOCA O NARIZ TÁ COMPLETAMENTE TAPADO E ELES JA ESTAO AI A POR A MAO NA BOCA cumprimentos aos ricos dos pobres cada vez mais,,,,,,,,,,,,,,,,

ver mais comentários
pub