Segurança Social Francisco Louçã deixa avisos a António Costa

Francisco Louçã deixa avisos a António Costa

Sujeitar as pensões mínimas a condição de recursos e dar um complemento salarial a trabalhadores pobres são medidas que “há um ano teriam impedido os acordos com o BE e o PCP”, diz Louçã, que estranha que o Governo ressuscite os temas.
Francisco Louçã deixa avisos a António Costa
Miguel Baltazar
Negócios 19 de outubro de 2016 às 12:16

"O Governo tem de pensar bem antes de dar o próximo passo". Pensar bem se quer mesmo avançar com o complemento salarial anual e pensar bem se vai mesmo sujeitar as pensões mínimas a prova de rendimentos, duas medidas em estudo como foi avançado em entrevista ao Negócios pelo ministro das Finanças, Mário Centeno. É que estas são questões que não só não estão nos acordos à esquerda como "há um ano teriam impedido os acordos com o BE e o PCP".

O aviso de Francisco Louçã, um dos fundadores da "geringonça", é deixado no blogue do Público, num texto intitulado "António Costa, cuidado com as pensões em 2017".

 

O também fundador do BE considera que o Governo, depois de ter decidido aumentar as pensões, aniquilou os argumentos da oposição e "tem o paraíso". Só que, em vez de aproveitá-lo, está a lançar-se no que classifica de "manobras de distracção".

 

Uma delas é o complemento salarial anual, sobre o qual Mário Centeno foi questionado na entrevista ao Negócios, e respondeu que "está a ser desenhada", embora não esteja entre as prioridades. A ideia do Governo é que esta prestação seja atribuída aos trabalhadores que não conseguem sair da pobreza, mas, para Louçã, não passa de uma forma de o Estado subsidiar as empresas que pagam para 2017. Louçã diz que a medida está a ser considerada para 2017, embora o ministro não se tenha comprometido com prazos.

 

O segundo tiro no pé, segundo o antigo líder do BE, é a aplicação da condição de recursos às novas pensões mínimas. Louçã questiona se "uma maioria que aumentou as pensões vai entrar em querelas sobre uma putativa redução futura de pensões?", para dar a resposta: "Reduzir pensões não é boa ideia".

 

O recado final é deixado na última frase do texto: "O Governo deve pensar bem antes de dar o próximo passo". 


A sua opinião36
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo 19.10.2016


O VERDADEIRO CRIME ORGANIZADO

FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


ARMÉNIO CARLOS ROUBA OS TRABALHADORES DO PRIVADO

Vitória para uns, significa derrota para os outros.

As vitórias de Arménio Carlos traduzem-se sempre em mais privilégios para a FP e ...

mais impostos sobre os restantes trabalhadores, para sustentar esses privilégios.


comentários mais recentes
pertinaz 19.10.2016

AS ENGRAÇADINHAS NÃO MANDAM NADA NO BLOCO

OS MACHÕES CONTINUAM A MANOBRAR POR TRÁS

PARTIDO DO FAZ DE CONTA

CAMBADA DE PIDESCOS ESTALINISTAS

Artur Pereira 19.10.2016

Não foi válido para as subvenções vitalícias dos políticos,não devia ser para ninguém.Só que aqui não vai haver 23 deputados a pedir a inconstitucionalidade da norma..

Manuel Gazua 19.10.2016

Este é que manda no governo e o Costa que se cuide.

Coisas que se sabemos 19.10.2016

Ao comentador das 15,28 . é mais fácil destruir o granito que o betão. O granito é uma rocha eruptivel plutónica que abre em todas as direcções, é só saber onde utilizar a força. Abre que é um regalo, já o betão, é mais resistente, é preciso a força bruta

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub