Economia Frente Comum anuncia manifestação nacional para 16 de Março e não descarta greve

Frente Comum anuncia manifestação nacional para 16 de Março e não descarta greve

A Frente Comum de Sindicatos da Administração Pública anunciou hoje uma manifestação nacional para 16 Março, em Lisboa, para exigir aumentos salariais de 4% ainda este ano e não descartou a hipótese de avançar para uma greve.
Frente Comum anuncia manifestação nacional para 16 de Março e não descarta greve
Miguel Baltazar
Lusa 14 de fevereiro de 2018 às 18:05

O anúncio foi feito pela dirigente da Frente Comum, Ana Avoila, à saída de uma reunião no Ministério das Finanças com a secretária de Estado da Administração Pública, Fátima Fonseca.

 

Ana Avoila começou por dizer que "a pressão que se fez nestes últimos tempos" sobre o Governo tem dado frutos, referindo-se às progressões dos assistentes operacionais, que, tal como a estrutura sindical reivindicava, vão subir para o quarto escalão e não para o terceiro, disse.

 

"Mas não queremos ficar por aqui. O Governo não responde à proposta de aumentos salariais e portanto vamos à luta. Já marcámos uma semana de luta de 12 a 23 de março [...] e uma manifestação nacional para 16 de março para todos os trabalhadores manifestarem o seu descontentamento e exigirem aumentos de salários e carreiras dignas", anunciou Avoila.

 

A dirigente da estrutura afecta à CGTP lembrou o crescimento da economia, dizendo não perceber por que motivo os trabalhadores não têm direito a aumentos ainda em 2018.

 

"Não vamos desarmar", assegurou a sindicalista, acrescentando que "a miséria de descongelamento de progressões remuneratórias não chega" e que a Frente Comum vai insistir numa actualização salarial de 4% ainda este ano.

 

"Rapidamente o Governo arranja uma provisão onde os vai encontrar e, se não o fizer, vai sofrer as consequências", avisou ainda a sindicalista, afirmando que "não está afastada a hipótese de uma greve" se o Governo insistir em não dar aumentos aos funcionários públicos.




A sua opinião8
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
pedro guerreiro Há 4 dias

Tanta raiva ao PCP e a CGTP, se não fossem eles, os salários e direitos de vocês eram mais baixos e tinham muito menos direitos. A não ser que façam parte, do top 100 dos mais ricos de portugal.

Marita Bastos Há 4 dias

Já está a CGT, via AVOILA e comandada pelo PCP (com o apoio do BE) a promover as ARRUAÇAS de que tanto gostam. Aumento de 4%???? IDIOTAS que julgam conseguir mais votos com esta palermice!!! TENHAM JUÍZO!

Eles são pagos por nós e nada produzem Há 4 dias

Aí está em acção uma das agitadoras habituais, ANA AVOILA, ao serviço da CGTP, aliás, do PCP, a dar execução às directrizes do Comité Central, onde tem assento o parasita Arménio Carlos, que lá vai receber a agenda.
ANA AVOILA, ARMÉNIO CARLOS e MÁRIO NOGUEIRA são o trio parasita que nada produz.

maria Há 4 dias

A FP GERA ENORME RIQUEZA! Que seria do Turismo se não houvesse polícia e segurança? Que seria do país se não houvesse Segurança Social, apoio aos necessitados, prisões, limpeza das ruas, SAÚDE, po. de trânsito, serviço de estrangeiros, segurança alimentar, meteorologia (navegação), água potável etc?

ver mais comentários