Conjuntura Função pública fez aumentar em 3,6% o custo de trabalho no terceiro trimestre

Função pública fez aumentar em 3,6% o custo de trabalho no terceiro trimestre

De acordo com os dados do INE, o índice de custo do trabalho subiu face ao período homólogo de 2015. Reposição salarial na função pública e redução para as 35 horas de trabalho semanal é a principal explicação.
Função pública fez aumentar em 3,6% o custo de trabalho no terceiro trimestre
Sara Matos
Negócios 11 de Novembro de 2016 às 11:50

O índice de custo do trabalho (ICT) ajustado de dias úteis registou um acréscimo homólogo de 3,6%, no terceiro trimestre de 2016, revelam as estatísticas publicadas pelo Instituto Nacional de Estatísticas nesta sexta-feira, 11 de Novembro. O trimestre anterior também foi de aumento, mas um pouco inferior, de 2,2%.

 

No sector privado o ICT registou um acréscimo homólogo de 0,7%. Já nas restantes actividades económicas, que incluem maioritariamente (ainda que não em exclusivo) actividades na esfera do sector público, o índice registou um acréscimo homólogo de 7,1%. Aqui, os custos salariais e os outros custos do trabalho aumentaram 8,1% e 4,6%, respectivamente. Contas feitas, conclui o INE, o custo médio por trabalhador aumentou 3,4% enquanto o número de horas efectivamente trabalhadas por trabalhador diminuiu 3,6%.

 

Esta variação, segundo o INE, explica-se, quer pela reposição dos salários na função pública, quer pela reposição do horário normal de trabalho em 35 horas semanais, que entrou em vigor em Julho deste ano.

 

Refira-se que este índice tem duas componentes. Por um lado os custos salariais – que aumentaram 3,9% neste terceiro trimestre do ano – e, por outro, os "outros custos por hora efectivamente trabalhada" – que subiram 2,6% face ao mesmo período de 2016 e incluem gastos com indemnização por despedimento ou encargos legais a cargo da entidade patronal, como a contribuição patronal para a Segurança Social ou seguros de acidentes de trabalho e doenças profissionais, entre outros.

 

O ICT é um indicador de curto prazo que observa o número de horas efectivamente trabalhadas por trabalhador e mede a evolução dos custos médios do trabalho por hora trabalhada.




A sua opinião3
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Victor Há 4 semanas

Só para lembrar que os funcionários públicos levaram um corte de 11% no vencimento, que ainda se mantém. Com esta reposição já "só" temos um corte de 7,4%!!!! Posso dizer ao vosso patrão, se estiver em dificuldades, que pode fazer isto com os vossos salários? rsrsrrrsrsr

Anónimo Há 4 semanas

Assim vai este País de m****** onde só se pensa em funcionários publicos e reformados.
Quem governa não paga do seu bolso as promessas que faz , e se aproveita dos do costume para pagarem , o despesismo.

Daniel Costa Há 4 semanas

Esta é para os de esquerda, os da tal igualdade de privilégios e deveres. Porque carga de água um trabalhador do privado tem de trabalhar mais 15% de tempo por semana, do que um funcionário do público. Venha dai a bancarrota, cá estamos para a pagar.

pub
pub
pub
pub