Função Pública Função Pública recebe mais 25 cêntimos de subsídio de refeição, mas paga IRS por eles

Função Pública recebe mais 25 cêntimos de subsídio de refeição, mas paga IRS por eles

A partir de Agosto os funcionários públicos vão receber um aumento no seu subsídio de refeição. Será o segundo durante este ano, mas desta vez o valor terá de ser ainda sujeito a tributação em IRS e descontos para a Segurança Social.
Função Pública recebe mais 25 cêntimos de subsídio de refeição, mas paga IRS por eles
Miguel Baltazar/Negócios
Filomena Lança 31 de julho de 2017 às 10:50

O Orçamento do Estado para 2017 determinou um aumento do subsídio de refeição para os funcionários públicos com uma primeira actualização logo em Janeiro, de 25 cêntimos, e uma segunda, A partir de Agosto, de valor idêntico. Na prática esta componente remuneratória passa dos 4,27 euros de 2016 para 4,77 euros.

 

O aumento, contudo, não vem líquido de impostos. Também no Orçamento do Estado para 2017, o PS introduziu, já no final do processo legislativo, uma proposta de alteração que determinou que o aumento a aplicar a partir de Agosto seria sujeito a tributação. Uma medida que se reflecte, não só nos funcionários públicos, mas também nos trabalhadores do sector privado, para quem o subsídio de refeição dos trabalhadores do Estado serve de referência.

 

De acordo com a lei, o subsídio de refeição é considerado rendimento do trabalho dependente, mas só é tributado em IRS e sujeito a descontos para a Segurança Social na parte em que exceda "o limite legal estabelecido", ou seja, os valores "anualmente fixados para os servidores do Estado".

 

Ora, numa norma transitória incluída no Orçamento do Estado estabelece-se que, para efeitos do limite legal estabelecido anualmente para os funcionários do Estado, será "considerado o valor fixado para o mês de Janeiro" e não o de Agosto, já com o novo aumento.

 

Isto significa, na prática, que os funcionários públicos vão pagar imposto sobre este segundo aumento e os 25 cêntimos terão de ser tributados em IRS, consoante o escalão em que o contribuinte esteja, e em Segurança social, no caso dos funcionários públicos abrangidos.

 

Por outro lado, os trabalhadores do privado, para os quais o subsídio de refeição da Função Pública serve de referência, também serão indirectamente atingidos, já que continuarão a ter os seus subsídios de refeição isentos apenas até aos 4,52 euros de Janeiro, já que não será aumentado, em Agosto, o limite legal que serve de referência à generalidade dos trabalhadores. 




A sua opinião5
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
Anónimo Há 2 semanas

Andam a gozar com quem? Vígaros, estão numa do faz de conta.Já sabíamos que seria assim, tem que haver dinheiro para dar RSI aos que têm carro, barco ou aeronaves de mais de 25.000 euros.

Mr.Tuga Há 2 semanas

Politiqueiros PATETICOS de TRAMPA!!!!

Tostões para os FP (nem dá para um café!) que são MILHOES para os contribuintes!

É o chamado receber manhoso Há 2 semanas

Em linguagem do povo, é dar com uma mão e retirar com as duas,
E agora, gado tuga, beijem-me os pés porque vos dou a cheirar 1/2 migalha.
Agradeçam- me ... A mim, Costa o generoso ...

LNG Há 2 semanas

Vergonha

ver mais comentários
pub
pub
pub
pub