Função Pública Função Pública quer acabar com o que resta da austeridade
Assinatura Digital. Negócios Primeiro Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE

Função Pública quer acabar com o que resta da austeridade

No ano passado o Governo prometeu começar a levantar as restrições que congelam subsídios, ajudas de custo, ou horas extraordinárias a partir de 2017. Com a perspectiva de um congelamento salarial, os sindicatos vão tentar cobrar a promessa.
Função Pública quer acabar com o que resta da austeridade
Bruno Simão/Negócios
Catarina Almeida Pereira 12 de Outubro de 2016 às 00:01

Com a discussão centrada nos aumentos dos pensionistas, os sindicatos da Função Pública partem para as negociações com o Governo sobre o novo Orçamento do Estado, que arrancam esta quarta-feira, com

Assinatura Digital. Negócios Primeiro
Para ler tudo faça LOGIN ou ASSINE
Análise, informação independente e rigorosa.
Para saber o que se passa em Portugal e no mundo,
nas empresas, nos mercados e na economia.
  • Inclui acesso ao ePaper, a versão do Negócios tal como é impresso em papel. Veja aqui.
  • Acesso ilimitado a todo o site negocios.pt
  • Acesso ilimitado via apps iPad, iPhone, Android e Windows
Saiba mais



A sua opinião49
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
mais votado Anónimo Há 3 semanas


PS . BE . PCP são uns PHILHOS DE PHU TA que xupam o sangue ao POVO...

para dar mais dinheiro e privilégios aos FP & CGA.

comentários mais recentes
Anónimo Há 3 semanas


FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO

ACHA JUSTO? (a malta dos direitos adquiridos acha)

Os trabalhadores que tem agora 30, 40, 50 ou 60 anos estão a descontar para pagar elevadas pensões aos atuais pensionistas, que na sua maioria deixou de trabalhar aos 50 e tal.

Quando finalmente chegar a sua hora (aos 66 ou mais) vão receber brutalmente menos que os atuais pensionistas, com as mesmas contribuições.

Ou seja, haverá inúmeros casos de pessoas, com as mesmas contribuições, a receber pensões completamente diferentes, apenas porque se reformaram/aposentaram com alguns anos de diferença.

E para cúmulo, os que se reformaram/aposentaram com menos idade são os que recebem as pensões mais elevadas.

Anónimo Há 3 semanas


Curiosamente, a generalidade das pessoas que dizem bem da escola pública... tem os filhos em colégios privados!

Porque será?

• Será por falta de confiança nas escolas públicas;
• Falta de segurança;
• Falta de condições físicas das escolas;
• Falta de qualidade de muitos dos professores;
• Professores que faltam às aulas repetidamente;
• Professores e funcionários que fazem greves sucessivas.

Pois!

Anónimo Há 3 semanas


PS ROUBA OS TRABALHADORES E PENSIONISTAS DO PRIVADO


O CÚMULO DA ASNEIRA.

O SOCAS GATUNO conseguiu endividar o país até à bancarrota (e o COSTA LADRÃO está a continuar o serviço).

Para onde foi o todo esse dinheiro, se nem sequer pagou as obras que mandou fazer (PPP) ?

Adivinhou: Salários e pensões da FP.

Anónimo Há 3 semanas


FP . CGA – 40 ANOS A ROUBAR OS TRABALHADORES DO PRIVADO

400 milhões de Euros para aumentar as pensões mínimas, são migalhas em comparação com...

os mais de 4600 milhões de euros que o Estado injetou, em 2015 (e injeta todos anos) através de transferências diretas do Orçamento do Estado (ou seja, com dinheiro pago em impostos pelos restantes portugueses) para assegurar o financiamento do buraco anual das pensões da CGA.


ver mais comentários
Notícias só para Assinantes
Exclusivos, análise, informação independente e credível. Para saber o que se passa em Portugal e no mundo, nas empresas, nos mercados e na economia. Inclui acesso à versão ePaper.
Mais uma forma de ler as histórias
da edição impressa do Negócios.
Se ainda não é Assinante Saiba mais
pub
pub
pub
pub