Angola Fundação de Eduardo dos Santos terá recebido milhões de empresa espanhola  

Fundação de Eduardo dos Santos terá recebido milhões de empresa espanhola  

A procuradoria anti-corrupção espanhola investiga uma comissão paga pela empresa Mercasa à fundação com o nome de José Eduardo dos Santos que pode ter chegado aos dez milhões de euros.
Fundação de Eduardo dos Santos terá recebido milhões de empresa espanhola  
Reuters
Lusa 12 de novembro de 2017 às 23:24

A Justiça espanhola descobriu alegados pagamentos de milhões de euros de uma empresa pública espanhola a uma fundação do ex-Presidente angolano, José Eduardo dos Santos, noticiou o jornal El Mundo.

 

A procuradoria anti-corrupção espanhola investiga uma comissão paga pela empresa Mercasa à fundação com o nome de José Eduardo dos Santos que pode ter chegado aos dez milhões de euros num negócio de construção de um mercado de abastecimento na capital angolana, Luanda, no valor de 533 milhões.

 

Os advogados dos visados afirmam que não foi tanto dinheiro porque parte do contrato foi cancelado, mas mesmo no cenário mais modesto, a comissão nunca terá sido inferior a seis milhões de euros.

 

Os 2% que se destinavam ao então Presidente terão saído de dinheiro público angolano pago ao consórcio público-privado da Mercasa que construiu o mercado.

 

O desvio de fundos terá sido feito através de um intermediário que está em Angola, Guilherme Taveira Pinto, cuja casa, situada em Linda-a-Velha, Oeiras, foi alvo de buscas em 2014 no âmbito de outro caso de venda de armas de uma empresa espanhola a Angola, em que também foi intermediário e na qual desapareceram 100 milhões de euros.

 

O suspeito, que está em Angola em fuga de um mandado internacional de detenção, terá remetido o dinheiro que recebeu à fundação, descobriram os investigadores, que analisaram também contas de correio electrónico.




A sua opinião1
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
lx Há 5 dias

Dinheiro. Não tem país, não tem cor, não tem religião. Eis um motivo de união entre os povos.

Como espécie somos uma mherda, pois evoluímos da força animal para a força económica. Ou seja, o balde mantém-se.